Arquivo da tag: voto nulo

Obrigada, camaradas!

.

Dilma Rousseff, na lente de Carlos Latuff

Finalmente acabou a pior eleição que já acompanhei. E olha que vivi intensamente a de 1989, a campeã em baixaria até então.
O mais marcante da rede de boatos e mentiras dessa eleição foi a existência das mídias sociais e o seu uso como arma para a divulgação dos absurdos inventados para espalhar o pânico e o terror. Até as empresas de telefonia foram envolvidas, principalmente celular (e é preciso investigar como se deu esse envolvimento pela Polícia Federal), com trotes ameaçadores do tipo: “Se você votar na Dilma, terá sua linha telefônica cancelada” ou “sua casa será invadida” e o tom terrorista ao final “sabemos como te encontrar”. Igual aos trotes de falso sequestro emitidos dos presídios tentando extorquir dinheiro das vítimas.
Chamo a atenção para os spams (algo que surgiu junto com a internet), e aos quais in-com-pe-ten-te-men-te a campanha de Dilma se deu ao trabalho de responder no caso do aborto e que fez com que a candidata, agora presidenta eleita, assumisse publicamente o compromisso de não tomar a iniciativa de alterar a legislação sobre aborto durante o seu mandato. E danem-se as mulheres que seguirão morrendo vítimas de abortos mal feitos e clandestinos país afora. Espero sinceramente que a bancada feminista do Congresso tome essa iniciativa. Afinal, Dilma (pelo menos isso) não se comprometeu em vetar uma lei que regulamente o tema vinda do Legislativo.
Mas nem mesmo toda a baixaria impressa pelo PSDB e pela direita raivosa desse país e reverberada pela grande imprensa nessa eleição conseguiu transformar Dilma numa candidata de esquerda. Nem o PT é mais um partido de esquerda. Nada em seu programa de governo ou em suas propostas pode ser classificado como sendo bandeiras esquerdistas. Alguém pode retrucar lembrando do compromisso principal assumido por Dilma – em seu primeiro pronunciamento como presidenta eleita -, a erradicação da pobreza. Não se iludam. É impossível erradicar a pobreza no capitalismo. Tudo o que o governo Lula fez nesse sentido comparado aos lucros dos banqueiros e empresários não passou de migalhas. Distribuir renda é outra coisa. Avançamos, sim. O Brasil de hoje – tal como previ em 2002 – é infinitamente melhor que o Brasil de FHC e do PSDB. Jamais cometeria o erro histórico de comparar Dilma à Serra, mas seus partidos disputam as bandeiras da social democracia. Um com respeito aos movimentos sociais e o outro se utilizando do aparelho repressor do Estado para inibir oposição e com total apoio da grande imprensa. Mas nós, cidadãos, estamos muito longe (muito mesmo) de sermos todos iguais – diante da lei ou de quem quer que seja – como garante apenas na teoria a nossa constituição.
Quero salientar que o fato mais significativo dessa eleição, que é termos a primeira mulher na presidência do Brasil em 510 anos, foi habilmente anulado pelos setores mais retrógrados e reacionários do país durante a campanha. Da mesma forma como hoje, na prática, pouco representa (a não ser simbolicamente) para os negros dos EUA e do mundo ter Barack Obama ocupando o cargo mais importante do planeta. E eu lamento isso profundamente. Queria mesmo estar comemorando o feito de termos elegido uma mulher, mas ainda é cedo para saber se Dilma se comportará diferente de um homem em seu lugar.
Por fim, quero agradecer aos companheiros de luta, de esquerda, que abraçaram essa campanha como se Dilma representasse mesmo a derrota da direita e da grande imprensa. Vocês estarão lado a lado comigo nas críticas às políticas governamentais adotadas nos próximos quatro anos, porque o PT não compra nenhuma grande briga e o PMDB ganhou no futuro governo Dilma muito mais espaço. Aliás, desde o governo Sarney – e eles nunca mais saíram do poder (Collor/Itamar, FHC, Lula) -, esse será o governo em que terão mais espaço. Mas é evidente que reconheço que será muito melhor criticar e levantar bandeiras no governo de Dilma Rousseff. Desejo que sua eleição como presidenta siga refletindo e influenciando outros países da América Latina.
A política de Estado continua a mesma e nos encontraremos nas lutas pelos avanços na legislação sobre aborto e pelo fim da violência contra a mulher, pela reforma agrária, pela abertura dos arquivos da ditadura militar e pela punição aos torturadores, pelo fim do desmatamento na Amazônia, por um amplo programa de educação popular, por saúde pública, … A luta de verdade, da vida real, nunca acaba enquanto houver opressão e oprimidos.
Obrigada, camaradas! Eu pude ser fiel e leal à minha consciência e votar nulo no primeiro e segundo turnos dessa eleição, porque vocês toparam enfrentar a guerra suja desse arremedo de democracia que vivemos. Eu não tive estômago para tudo isso.


Declaração de voto

.

1_pKAvTCD0bEs-Y4Fu5MH-Rg.png

Muitas pessoas estranham o fato de alguém com uma razoável consciência política como eu, que possui uma linha ideológica e que sempre se manifesta em questões espinhosas, não ter se manifestado sobre seu voto. Para bem da verdade já declarei o meu voto e vou reafirmá-lo, mas antes exporei os motivos, ou melhor, as premissas necessárias para que eu votasse nessa eleição.

Eu votaria no candidato a presidente que assumisse publicamente o compromisso de abrir os arquivos da ditadura militar – pondo fim ao luto inacabado das famílias que ainda sofrem torturadas sem saber o que aconteceu com seus entes – e usar toda a sua influência para punir os torturadores e assassinos.

Votaria no candidato que assumisse sem meias palavras a defesa da legalização do aborto, por ser este um direito das mulheres, e o compromisso de colocar a máquina do Estado a serviço da coibição e prevenção da violência contra a mulher.

Votaria no candidato que assumisse a defesa do casamento gay, dos direitos civis dos homossexuais e da punição exemplar da homofobia.

Votaria no candidato que afirmasse a laicidade do Estado e não ficasse fazendo média com lideranças religiosas e abrindo brechas para preconceitos e difusão de ignorâncias históricas.

Votaria no candidato que afirmasse fazer a reforma agrária imediata, sem contemporizações ou negociações com ruralistas assassinos e escravocratas.

Votaria no candidato que se comprometesse a expulsar as madeireiras e os ruralistas já da Amazônia, porque grileiro não tem direito a indenização e nem explicação, tem é que responder a processo por crime contra a humanidade.

Votaria no candidato que tivesse a coragem de dizer que o Bolsa Família, apesar de ter tirado muitas pessoas da miséria absoluta, é uma esmola e que é preciso ir além, dando a dignidade e a oportunidade dessas pessoas proverem seu sustento com o seu próprio trabalho.

Votaria no candidato que assumisse a educação como prioridade primeira, porque só ela é capaz de livrar as pessoas da pobreza e da miséria absoluta, mesmo correndo o risco das pessoas aprenderem a pensar sozinhas, porque esse é o compromisso de todo e qualquer ativista de esquerda: libertar os trabalhadores de todas as formas de opressão.

Votaria no candidato que assumisse o compromisso com um sistema econômico baseado na solidariedade e distribuição de riquezas, na taxação das grandes fortunas e na desoneração dos pequenos e médios produtores, porque eles empregam mais e melhor.

E votaria no candidato que assumisse o compromisso de discutir o orçamento da união e as obras a serem feitas diretamente com a população através de grandes conselhos populares, para por um fim no balcão de negócios entre governo e parlamentares, construindo uma democracia participativa real e palpável a todos os cidadãos.

Disse “votaria” porque não adianta sequer esse candidato existir. O tal sistema eleitoral do tal estado democrático de direito impõe que ao participar de uma disputa se aceite suas regras. Tanto faz os compromissos assumidos, esse candidato teria que negociar os seus compromissos em nome das alianças, da viabilidade eleitoral da candidatura e mais tarde em nome da maldita governabilidade. Hoje tivemos a prova do que a preocupação em garantir votos e/ou a governabilidade faz com os compromissos assumidos por um candidato. Joga-se no lixo!

Democracia não é apertar um botão a cada dois anos. Não sei vocês, mas eu cansei de fazer concessões com meus princípios, sonhos e utopias para escolher dentre os candidatos que se apresentam, o menos pior. Quero poder sonhar livremente, sem me sentir desrespeitada porque a bandeira que o meu candidato defendia, e me fazia sentir representada e incluída dentro de sua candidatura, foi rasgada na primeira curva.

Por fim, votaria num candidato que mantivesse a ética e os princípios acima de alianças e barganhas eleitorais.

Por essas e por outras, eu voto NULO.

.