Arquivo da tag: surreal

Vento Negro é surreal

..

capa do primeiro LP de 1975 - clique na imagem para assistir um clipe do grupo na Globo, em PB

Essa madrugada estava conversando com uma amiga publicitária lá de Fortaleza e em meio aos papos pessoais, acabei comentando com ela a música que estava ouvindo e mandei o link para que ela ouvisse também. A música: Vento Negro, de 1975, do extinto grupo Almôndegas – grupo pelotense, precursor da dupla Kleiton & Kledir. A versão que estava ouvindo era ainda mais especial por ser uma gravação amadora num show dos irmãos Ramil no Theatro Guarany aqui em Satolep, com as participações do caçula Vitor e do Quico Castro Neves, vocal original da música no Almôndegas.

.
.
Para quem nunca ouviu falar, Vento Negro está para o Rio Grande do Sul como Andança está para o resto do Brasil. É a música mais tocada em rodas de viola e é a primeira a ser ‘tirada’ quando se aprende a tocar violão. Ou pelo menos era. É uma música significativa, bonita demais, nativista misturada à MPB, e lançada em plena ditadura, cantada por um grupo vocal e musicalmente muito competente. Confira a letra. Era o início da chamada Música Popular Gaúcha.
Mas porque estou falando de Vento Negro? Acreditem, ela é uma composição do agora ex-prefeito de Porto Alegre e candidato ao governo do RS pelo PMDB, José Fogaça. O mesmo hoje envolvido num escândalo de corrupção que envolve o Instituto Sollus e a prefeitura da capital gaúcha e que teve neste final de semana a quebra dos sigilos bancário e fiscal autorizada pela Justiça.
Alguém viu ou ouviu a notícia ser amplamente explorada pela imprensa gaúcha? Pois a notícia foi, sim, veiculada no Grupo RBS. O jornal Zero Hora Online publicou no início da madrugada de sábado, quando – todos sabemos – há uma audiência monstra (sic) e acompanhada da palavra mágica “suposta” estrategicamente já no subtítulo da matéria.
Não bastasse a clara amenização do fato pela imprensa, o tal Caso Sollus ainda envolve um crime. O ex-secretário de saúde de Porto Alegre, Eliseu Santos (PTB), foi assassinado na véspera de seu depoimento na Polícia Federal sobre o caso. Crime ainda não esclarecido, onde a imprensa finge que não vê os erros grotescos da investigação e onde a polícia gaúcha se apressou em “explicar” o caso como latrocínio. (Leia mais sobre o caso Eliseu Santos aqui e aqui)

o Fogaça da época de Vento Negro

Tudo muito estranho. Tão estranho quanto o José Fogaça um dia ter composto uma canção tão linda que termina com os versos:

“Não creio em paz sem divisão
De tanto amor que eu espalhei
Em cada céu em cada chão
Minha alma lá deixei”

Não parece surreal? Fato é que o Fogaça de hoje não é mais o mesmo que escreveu estes versos. E tomara que os irmãos Ramil percebam isso logo. É doloroso vê-los apoiar Fogaça a cada eleição como se ele ainda fosse o mesmo de Vento Negro.

Meu desejo mais sincero e profundo está nos versos do refrão dessa música: “Um vento forte se erguerá arrastando o que houver no chão” e levando embora os velhos hábitos da política e essa ‘tendência natural’ de direitização do passar do tempo.