Arquivo da tag: patrulha

Menos patrulha, mais zueira!

Estou há dias para escrever sobre algo que me incomoda profundamente: patrulha. Patrulha de qualquer coisa me irrita, da vida alheia, da sexualidade alheia, patrulha ideológica, do que o alheio está comendo, vestindo, fazendo… Pior do que tentar controlar a vida das pessoas no particular é fazer isso em público. E as redes sociais (ou plataformas, como queiram) estão aí não para mostrar o que não somos, o nosso melhor ou pior, mas para potencializar o que somos — como diz o ativista Marcelo Branco.

Sou partidária do #NãoVaiTerCopa. Nunca achei que houve a mais remota possibilidade da Copa não acontecer. Não era essa a questão. O que queríamos, pelo menos eu, é que ela não tivesse causado tantos estragos, que o processo todo tivesse sido transparente, que não vivêssemos agora uma ditadura da Fifa em território nacional. Se alguém não entendeu o que significa o #NãoVaiTerCopa é ou porque não quis ou por má fé, de seguir explorando a distorção da proposta. Explicação e exemplos não faltam.

grafite de Paulo Ito, do Movimento de Decoração Anti-Copa

grafite de Paulo Ito, do Movimento de Decoração Anti-Copa

Disse a Camila Pavanelli, hoje em Eu gostaria que tivesse havido Copa:

“Acima de tudo, #NãoVaiTerCopa é a revolta com as violações de direitos humanos que aconteceram para que obras da Copa fossem realizadas (sobre as quais há farta documentação).
#NãoVaiTerCopa não é “torcer para que tudo dê errado” – é reconhecer que aquilo que mais importa *já deu* absurdamente errado. Que obras foram superfaturadas. Que pessoas foram ilegalmente removidas de suas casas. Que a FIFA deitou e rolou.
Não vai ter Copa – embora eu gostaria que tivesse havido.
Não vai ter Copa – mas Exército na rua certamente não vai faltar.”

E a má fé se estende ao ponto de patrulhar a torcida ou não pelo Brasil dos ativistas do #NãoVaiTerCopa. Tem gente achando e dizendo que não podemos gritar e comemorar os gols da Seleção Brasileira durante a Copa. A não ser que algum jogador brasileiro se manifeste em campo homenageando os operários mortos na construção dos estádios ou contra a repressão aos protestos nas ruas (que já começou) ou ainda contra a corrupção da Fifa, ninguém me verá comemorando os gols do Brasil (isso não vale para os gols da Argentina, por motivos de querer ver o constrangimento do prefeito do Rio, Eduardo Paes, porque duvido que ele cumpra a promessa…). Mas comentarei a Copa, é certo.

Não vou comemorar os gols do Brasil, mas poderia, se quisesse. Não dou a ninguém o direito de me dizer o que posso ou não fazer. Estou pelas tampas com os “estamos de olho”. APENAS, PAREM! E não defendo/reivindico essa liberdade só para mim. Vale para qualquer um. Nem fechamos ainda as feridas da ditadura e já tem gente achando razoável patrulhar a vida alheia por questões ideológicas… Eu sei que a mais recente ditadura brasileira não está no currículo escolar como deveria, no caso dos mais jovens, mas vejo gente que viveu a repressão achando correto impingir sua vontade, o que acha correto para si, aos outros. Não, né?

nao-vai-ter-copa-660x330

Digo apenas para quem ainda acha o #NãoVaiTerCopa ridículo e que o seu uso auto-justifica a patrulha, que esse movimento pautou a Fifa, pautou a imprensa (de fio a pavio) e pautou até o Governo Federal. Na noite de ontem, a presidenta Dilma Rousseff gastou dez minutos de tempo e de dinheiro público num pronunciamento em rede nacional para dizer o óbvio, que vai ter Copa. Por favor, né? Até quem protesta sabe que vai ter Copa, sempre soube que teria. Mas, se precisam reafirmar isso ao mundo a todo momento é porque #NãoVaiTerCopa, é porque #NãoTeveCopa, e esse movimento foi muito, mas muito além do que pretendia, que era simplesmente protestar, fazer valer nossa voz e mostrar ao mundo o nosso descontentamento.

Leia também O ópio dos intelectuais #CopaPraQuem #NaoVaiTerCopa

PARABÉNS a todos os envolvidos no #NãoVaiTerCopa. Pautamos o país, e ainda não terminamos de dar o nosso recado. No mais, deixem cada um torcer, secar, torcer contra, como bem quiser. Deu de “ame-o ou deixe-o”. Esse governo já tem semelhanças demais com a ditadura militar para um representante da democracia, eleito pelo voto direto. Já avisei e reforço aqui: continuarei usando o #NaoVaiTerCopa durante a Copa e até depois dela. Reclamem pro Papa se não gostarem.

Uma Copa que tem como logo um “facepalm”, de mascote um tatu e ainda teve a promessa de trem-bala entre Rio e São Paulo, já começou não tendo. Toda a zueira a partir daí está valendo. E vai vendo que nem bem começou e já rolou a “sucupirização” da Copa.

Portanto, senhoras e senhores… Menos patrulha, porque a Copa da zueira já começou!

a Copa da zueira já começou!

E só para deixar bem claro… #NãoVaiTerCopa!!! 😛


Onde você guarda o seu machismo?


De novo uma polêmica entre homens tidos como politicamente corretos e de esquerda versus as feministas (sempre elas!) para nos lembrar — a nós, feministas — que a nossa autonomia, respeito e liberdade será conquistada apenas por nós mesmas com, no máximo, o apoio solidário e/ou crítico (bem mais provável) de nossos companheiros e camaradas homens, e — a nós, esquerda — que ou abraçamos de verdade a luta emancipatória das mulheres como bandeira ou nunca teremos autonomia e emancipação de classe.

Rir de nós mesmos e de nossas contradições é saudável e nos ajuda a sobreviver neste mundo, mas concordar com desrespeito e o reforço dos estereótipos não é humor. E quem é quem tem a medida do preconceito? Quem determina até onde é humor e quando passa para desrespeito? São os brancos(as) quem têm a medida do racismo nas piadas racistas? São os héteros(as) quem têm a medida da homofobia nas piadas homofóbicas? São os homens que têm a medida do machismo nas piadas machistas? Não, óbvio. Quem sofre o preconceito, quem é discriminado é que está mais habilitado a delimitar o que é humor e até onde é possível rir de si e suas características. E é justo que seja assim.

É cômodo para os homens da chamada esquerda estarem ao lado das feministas nos casos recentes que envolveram o “humorista” Rafinha Bastos — amamentação e estupro –, uma vez que ele não é esquerda. No caso do Luis Nassif, idem, e quase todos os chamados “progressistas” (odeio esse termo, mas já que se auto denominam assim, vá lá) tentaram atenuar sua atitude no caso das “feminazi” e ficaram as feministas — na verdade apenas algumas delas como quase sempre — como as radicais, patrulheiras, as que enxovalham a honra de um homem respeitável por causa de um mero escorregão (ironia mode on). No caso do crítico de cinema Pablo Villaça, que rolou nesse final de semana, de novo são as feministas as radicais, chatas e sem senso de humor que não entendem uma piada “normal” e atacam o pobre homem que só estava brincando. Ô, dó!

O que vi acontecer foi de novo a reunião dos machos em torno do “companheiro” (termo usado aqui para explicitar a solidariedade masculina, entre gêneros) que caiu nas garras das demoníacas feministas que fizeram nada além do que evidenciar o que ele mesmo estava dizendo. Os tuítes do Pablo Villaça foram escritos por ele, ninguém o obrigou a raciocinar daquela forma e articular aquelas frases carregadas de machismo. De que adianta ele ter escrito textos antimachistas antes (dizem que escreveu, eu nunca li) se não aprendeu nada e a motivação para escrever tais textos não serviram para mudar seu comportamento? Mas o que realmente me preocupa é ver homens que se dizem esquerda embarcando no jogo de vítima do cara. Bastou chamar de feminista radical para ganhar razão, como se nós precisássemos ser de um determinado jeito ou nos comportarmos de maneira pré-aprovada pelos homens para termos algum tipo de respeito ou consideração por nossa luta.

Cabe a pergunta: Basta se dizer antimachista para ser? O que faz alguém ser antimachista, antihomofóbico e antirracista são suas atitudes cotidianas no combate ao que seria natural, a produção e a reprodução dos preconceitos existentes na sociedade em que estamos inseridos. É preciso, sim, autovigilância e quando esta falha sobra o papel de chato(a), de patrulheiro(a) do comportamento politicamente correto para nós que sofremos o preconceito e sabemos onde é que o calo aperta. E como esse calo aperta e dói! Ou basta se dizer de esquerda para estar a salvo da produção e reprodução dos preconceitos presentes na sociedade? Onde a esquerda guarda (guarda?) o seu machismo? Onde VOCÊ guarda o seu machismo?

A imensa diferença desse nosso tempo para dez, vinte anos atrás é que hoje as piadinhas ditas antigamente nos bares, nas conversas de corredor por fora dos discursos oficiais dos valorosos companheiros da esquerda, é a existência da web e suas redes sociais. Elas viraram os corredores e bares da atualidade e aquilo que é dito num tuíte não seria, obviamente, elaborado num texto (discurso) do blog ou publicado no artigo. E é aqui que a coisa pega, porque esses bares e corredores atuais reverberam, tem eco, e a palavra escrita tem um peso imensamente maior do que a falada. Um tuíte é capaz de revelar aquele teu preconceitosinho que estava escondido, abafado, lá no fundinho do teu ser. Detalhe: E mesmo que você decida apagá-lo depois que percebeu o escorregão, alguém pode tê-lo salvo e te lembrará dele para o resto da vida.

Cansada demais dessa esquerda torpe, machista, homofóbica, racista que vive se negando para poder continuar se dizendo esquerda. Não estou cansada das pessoas, mas do comportamento. Somos todos humanos e passíveis do erro. Aliás, dizem que a capacidade mais intrínseca do ser humano é o erro e o que nos diferencia (o que pode nos diferenciar) é o que fazemos com nossos erros. O erro maior do Pablo Villaça não foi a piada idiota que ele reproduziu, mas o que ele fez quando foi criticado por ela, quando o seu “escorregão” foi identificado e evidenciado.

E sabem por que é tão difícil perceber que o Pablo Villaça foi machista e sua reação foi abominável? Porque reconhecer isso é reconhecer o próprio machismo, reconhecer que achou graça na piadinha idiota e machista que ele divulgou e é se reconhecer também machista. “Ôpa! Eu, machista??? Nãããooo. Eu sou de esquerda!” — Oi?

Fica aí o conselho da Lola Aronovich :: “Todo mundo escorrega e é machista às vezes. Acontece. Mas se alguém te critica por isso, saiba ouvir. Reflita. Peça desculpas.” Seria muito mais producente para a luta da esquerda se pudéssemos parar de gastar tempo e energia em lembrar os nossos camaradas e companheiros que um dos pilares de sustentação da opressão de classe é a opressão de gênero. Seria mais producente também que os nossos camaradas e companheiros revertessem a energia que gastam tentando nos transformar nas vilãs das suas histórias e manifestações misóginas em autovigilância do próprio machismo.

Numa brincadeira carregada de ironia, a Carina Prates tuitou sobre “o feminismo ideal” (leia de baixo para cima):

E ainda acrescentou:

E ainda dizem que não temos humor…

.