Arquivo da tag: homofobia

Bolsonaro, Noblat, crime e liberdade de expressão

.

.
Desde a semana passada que o país inteiro só comenta as declarações racistas de Jair Bolsonsaro no programa de humor (duvidoso) CQC da Band, ao responder uma pergunta da Preta Gil. Entre as pessoas que tenho contato virtual repercutiu mal, assim como repercutiu mal para o programa, para a emissora e para o Marcelo Tas de darem espaço a um ultrarreacionário por ser um polemisador e elevar a audiência. Mas com quem converso na rua, trabalho, ônibus – leia-se senso comum – não repercutiu tão mal assim. Essa é a parte assustadora da história. Fato é que Bolsonaro já está no sexto mandato consecutivo como deputado federal pelo Rio de Janeiro e na última eleição obteve em torno de 120 mil votos. Para quem não conhece o “nobre” (sic) deputado, basta olhar o naipe das polêmicas em que se envolve.
Mas Bolsonaro destilar seu preconceito, ódio, homofobia e racismo na tevê ou onde quer que seja não é novidade mais. Os ineditismos nesse episódio são: 1) talvez ele tenha que responder judicialmente pelo que disse já que Preta Gil decidiu processá-lo; 2) 20 parlamentares protocolaram ação na Câmara contra ele e; (3) o jornalista e blogueiro Ricardo Noblat saiu em defesa de Bolsonaro num artigo intitulado “O fascismo do bem” empunhando a bandeira da liberdade de expressão. É esse terceiro que quero comentar.
Desde quando incitar preconceito e crime é liberdade de expressão? O “nobre” (sic) jornalista deve ter ou perdido o pouco de noção e vergonha na cara que lhe restavam ou está de sacanagem mesmo. E como ele citou um fato ocorrido em Pelotas e que envolve nossa fama de cidade gay, não consegui não me manifestar.

Ricardo Noblat

No afã de defender Bolsonaro – sabe-se lá porquê –, Noblat comete dois equívocos. O primeiro de que os petistas teriam se calado diante da piada homofóbica de Lula sobre Pelotas. O tal comentário repercutiu muito mal na campanha e mesmo assim foram criticados abertamente e embora os adversários do então candidato à prefeito Fernando Marroni tivessem (não tenho dúvidas sobre isso) a mesma opinião de Lula sobre os gays e a nossa fama nacional, usaram incansavelmente o vídeo na disputa eleitoral local. Pelotas é uma cidade tão ou mais preconceituosa do que qualquer outra. Tanto que o Movimento LGBT daqui tem dificuldade em conseguir apoio da Secretaria Municipal de Saúde na distribuição de preservativos na nossa Parada Gay ou “Avenida da Diversidade”. Nem Marroni e nem Lula podem ser defendidos nesse episódio relembrado pelo blogueiro oficial d’O Globo. Eles foram homofóbicos, sim. Um ativamente e outro se omitindo. Se os petistas homofóbicos (eles existem) se calaram, os ativistas LGBT cumpriram seu papel. O único ponto em que Noblat acerta é sobre a patrulha petista que usa mesmo dois pesos e duas medidas quando o assunto é o “santo” Lula.
O segundo equívoco de Noblat é quanto ao direito à opinião. Essa liberdade só é possível na democracia se 1) não se cometa crime ao exercê-la e 2) respeite-se a liberdade de opinião do outro. Bolsonaro ofendeu, incitou o crime de racismo e incitou a violência contra homossexuais. Isso no exato momento em que uma pesquisa revela que em 2010 os assassinatos de homossexuais cresceram mais de 30% no Brasil. Claro que Bolsonaro tem o direito à opinião e livre expressão – todos temos – , mas ao cometer um crime no uso dessa liberdade terá que responder judicialmente.
Noblat ainda cita outro comentário de Lula quando o então presidente declarou serem os “louros de olhos azuis” responsáveis pela crise econômica mundial e cita como preconceito. Alguém precisa lembrar ao jonalista/blogueiro que a opressão se caracteriza quando uma classe, gênero, raça, povo, grupo está em clara situação de desvantagem, exploração. Falar em racismo contra brancos de olhos azuis é o mesmo que falar de violência doméstica cometida por mulheres contra homens ou do ataque de homossexuais contra héteros (“heterofobia”?). Deve existir, mas é tão raro que não há como configurar como um problema social.
Durante a ditadura militar eu entenderia um jornalista defender Bolsonaro. Mas em plena “democracia” onde a imprensa goza de ampla liberdade de dizer o que bem entende sobre qualquer pessoa, a posição de Noblat só pode ser classificada de mau-caratismo. Afinal, quando colegas seus foram são demitidos por usarem o tuíter para manifestar suas opiniões – sem ofender ninguém ou incitar crime algum – ele ficou em silêncio e tampouco lembrou ou invocou o direito à liberdade de expressão.
Está explicado porquê Bolsonaro está no sexto mandato e tem 120 mil votos, né?
Noblat não tem moral alguma para criticar os petistas que se calam diante da homofobia de Lula e jogam pedras na homofobia de Bolsonaro. Ele mesmo está agora usando dois pesos e duas medidas. Um comentário distorcido de Dilma Rousseff sobre aborto durante a campanha de 2010 bastou para que ele e a grande imprensa a crucificassem no intuito de prejudicá-la eleitoralmente. A Bolsonaro ‘se dá’ o direito de liberdade de expressão para ser racista e homofóbico. Nojo de tudo isso, viu?

Deveríamos ver na tevê diariamente o seguinte recado: “O Ministério da Saúde adverte: Ler o Blog do Noblat causa problemas estomacais gravíssimos e náuseas”. Quando me perguntarem: “não leste no Blog do Noblat?”, responderei: “não uso drogas pesadas!”
.