Arquivo da categoria: memória

Jantar de dois

o cardápio… e um pouco da arrumação…

Todo casal passa por crises. Até um não-casal-ogro. Eu e o Gilson passamos por momentos difíceis no último mês. Foi osso, uma barra mesmo. Nem sei se já foi, se já superamos. Tudo indica que sim, mas não gosto de antecipar soluções. Vida não tem receita, relacionamento menos. A gente vai vivendo e vendo no que dá, e faz reajustes onde é preciso, repensa o que é preciso, tenta olhar pelo ângulo do outro, muda de posição. Faz o que é possível.

Essa madrugada, de 14 para 15 de abril, completamos dois anos juntos. E eu decidi comemorar. Queria dizer a ele que foram os melhores anos da minha vida. Principalmente o último, desde que reunimos o que é a nossa família ogra e torta — nós + Calvin + Lalá. Para a comemoração pensei num jantar só nosso, já que todo dia é dia de #dinojantar e fazemos desse momento celebração para os quatro.

Queria num jantar regado a vinho e à luz de vela, com aromas e sabores, como ainda não tínhamos tido. Comprei uma peça de alcatra e deixei marinando desde domingo com sal, pimenta, azeite, cebola, pimentão + muito alho e muito alecrim (alecrim fresco faz toda a diferença num marinado, acreditem em mim). Coloquei para assar com todo o marinado, sem papel alumínio, em temperatura média. Quando a casa estava tomada pelo cheiro do assado, tirei a carne do marinado e recoloquei no forno para criar uma leve crosta, sem secar muito. Bati parte do marinado com uma maçã, meio copo de vinho e duas colheres de farinha no liquidificador para o molho — opcional.

Já tinha feito o molho pesto em casa, para o espaguete, porque não achei por aqui para comprar pronto (receita do molho pesto aqui) e na hora era só cozinhar a ‘pasta’. Para a salada pedi dicas para quem entende mais do que eu (Lu e Re) e me disseram: salada crua, crocante. Aceitei o conselho. Salada de alface, repolho roxo cru cortado fininho, cenoura e queijo canastra ralados e croutons (não tinha, então comprei torrada comum e quebrei três em pedacinhos pequenos) temperada com sal, azeite e molho de mostarda. Ficou tão delícia que poderia ser só ela o jantar, não fôssemos nós os ogros que somos.

Usei coisas que nunca uso no dia a dia por causa do #dinofilhote — toalha branca, taças, pratos especiais — e arrumei a mesa com carinho. Não achei velas para compor a mesa em OuCí, tive que improvisar… Comprei um copo grosso, uma vela de sete dias (sim!!!), sal grosso e umas ervas coloridas e cheirosas e montei o arranjo. Contando parece macumba, mas não era. Durante o jantar, ao som de jazz, revelei o motivo de tanto esmero. Renovar minhas intenções, dizer o quanto fui feliz com ele nesses dois anos e que pretendo continuar sendo por muito mais tempo ainda. Ele perguntou: Pra sempre? Respondi: Enquanto formos felizes. Tinha sobremesa (torta de maçã) na geladeira, mas nem sentimos falta.

Bebemos a última taça de vinho da noite ouvindo a nossa música, e entre sorrisos, beijos, tesão a certeza de que enfrentar as dificuldades e tristezas da vida é mais fácil nos braços um do outro.

Foi mais ou menos assim nosso jantar de dois…


Música como tradução

Para o Gilson.

eu + gilson

Acho que tive sorte quando desembarquei no Rio de Janeiro. Vim pra cá na incerteza, sem saber direito o que fazer nem quanto tempo ficaria nem se ficaria. Não tinha nenhum alvo ou propósito. Não mirei, não atirei, não me atirei. Mas acertei.

Nessa cidade que me endurece a cada dia e onde estou há mais de um ano, encontrei um amor tranquilo, desses de calmaria que invadem devagar, que eu nem sabia que queria. Parceria de vida, nos planos, em sonhos de futuro, sonhos de mundo, mas principalmente parceria no dia a dia. Nem preciso dizer que ele tem uma enorme paciência comigo, que atura a oscilação do meu humor com persistência, e sei que não é por concessão.

E justamente por ser um parceiro de sonhos, não nos apegamos a datas comerciais ou cristãs nem trocamos presentes. Manifestamos nosso afeto em pequenas gentilezas e muitas grosserias, daquelas que só somos capazes diante de pessoas com quem nos sentimos completamente à vontade. E nos sentimos em casa um com o outro, um no outro. Casa-abrigo, casa-desconforto, casa-lar, casa-lar-ogro, casal ogro.

Apesar de não sermos um casal comum, mantemos algumas coisas de casal. Tipo ter uma música, uma canção que nos representa e nos canta, nos encanta. Cruzada, do Tavinho Moura e Márcio Borges se escolheu sozinha, nós apenas a reconhecemos. Então, segue a letra que traduz nossa parceria.

Antes clica no vídeo para ouvir essa lindeza.

Cruzada

Não quero andar sozinho por estas ruas Sei do perigo que nos rodeiam pelos caminhos Não há sinal de sol, mas tudo me acalma No seu olhar

Não quero ter mais sangue morto nas veias Quero o abrigo do abraço que me incendeia Não há sinal de cais, mas tudo me acalma No seu olhar

Você parece comigo Nenhum senhor te acompanha Você também se dá um beijo, dá abrigo

Flor nas janelas da casa Olho no seu inimigo Você também se dá um beijo, dá abrigo Se dá um riso, dá um tiro

Não quero ter mais sangue morto nas veias Quero o abrigo do abraço que me incendeia Não há sinal de paz, mas tudo me acalma No seu olhar

Não quero ter mais sangue morto nas veias Quero o abrigo da sua estrela que me incendeia Não há sinal de sol, mas tudo me acalma No seu olhar

Se quiser continuar ouvindo Cruzada, aqui tem uma playlist com todas as versões que encontrei.


VII Blogagem Coletiva #desarquivandoBR

Nossa luta é por justiça e pela preservação da memória dos mortos e desaparecidos. Para que se conheça, para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça.

setimaBC_x

Está começando a sétima blogagem coletiva #desarquivandoBR
– 24 de março a 3 de abril –

Já faz quase um ano que a Comissão Nacional da Verdade foi empossada e está trabalhando. Ou seja, já sei foi metade do seu tempo regulamentar para dar conta de um período maior do que o da ditadura civil-militar brasileira (1964-1985) e até agora pouco ou quase nada de relevante se apurou. Se estabeleceu entre os membros um rodízio na presidência da CNV, e já figuraram no comando geral Gilson Dipp, Cláudio Fonteles e recentemente assumiu Paulo Sérgio Pinheiro. Esse último, em recente entrevista, disse que as apurações da CNV permanecerão em sigilo até a entrega do relatório final em 2014 à presidenta Dilma Rousseff.

Sigilo? Numa comissão pública? Manter em sigilo um trabalho sobre o qual havia a expectativa de comoção do país e da opinião pública sobre os horrendos crimes praticados pelo Estado contra seus cidadãos, e dessa forma revertesse/compensasse o caráter não-punitivo da CNV? Isso é a comprovação de que nossas desconfianças e reservas quanto a CNV tinha razão de ser.

Entre as notícias recentes a mais chocante — do ponto de vista da possibilidade de chegarmos à verdade dos fatos da ditadura civil-militar — foi uma reportagem da Folha de São Paulo sobre ministérios — hoje, nesse governo — estarem retendo arquivos da ditadura militar (notem que a apuração e descoberta foi da imprensa, e não da CNV). No mesmo dia da publicação da denúncia, um domingo (03/03), o governo anunciou que encaminharia todo o material para o Arquivo Nacional. Três dias depois a FSP noticiou que arquivos de órgãos da ditadura estão desaparecidos. No dia 9 de março a Casa Civil entregou 412 caixas com os tais arquivos retidos ao Arquivo Nacional, mas negou o acesso aos documentos pela reportagem, que questionou: será que a Lei de Acesso a Informação é mesmo letra morta?

49 anos depois do golpe militar, a Comissão Nacional da Verdade, outras comissões públicas e da sociedade civil, bem como a Lei de Acesso a Informação ainda não deram conta dos cadeados que a democracia e seus meandros burocráticos colocaram nos porões da ditadura mantendo-os a salvo dos olhos do mundo e da luz da verdade.

Mais do que nunca a luta pelo desarquivamento do Brasil e pelo Direito à Verdade se faz necessária. É por isso que estamos começando hoje, 24 de março — Dia Internacional para o Direito à Verdade sobre Violações Graves de Direitos Humanos e para a Dignidade das Vítimas, a sétima blogagem coletiva #desarquivandoBR. Até o dia 3 de abril serão dez dias de esforço coletivo para lembrarmos os desaparecidos e mortos da ditadura, denunciarmos a omissão, descaso e iniquidade dos governos para com eles e sua memória, e para exigirmos justiça. 

Para participar da blogagem coletiva basta publicar texto, entrevista, poesia relacionado aos temas da blogagem (abertura dos arquivos, apuração e punição dos crimes cometidos pelo Estado, memória e justiça aos mortos e desaparecidos, revisão da Lei da Anistia) em seu blog e ao final linkar esse post convocatória e divulgar nas redes sociais. Quem não tem blog pode enviar seu texto para o email desarquivandobr@gmail.com que será publicado no DesarquivandoBR, devidamente assinado.

Nos dias  31 de março e 1º de abril, aniversário do golpe militar, realizaremos tuitaço a partir das 21h e concentraremos esforços nas postagens também no Facebook. Acompanhem pelo perfil @desarquivandoBR e/ou pela hashtag #DesarquivandoBR no twitter e na nossa fan page no Facebook e coloque a marca da campanha no seu avatar.

——————————————–

Edições anteriores do #desarquivandoBR:
Entrevista com Criméia Almeida e Suzana Lisbôa, em 12/01/2010 e a 1ª blogagem
Proposta da 
2ª blogagem
Balanço da 
3ª blogagem
Convocação da 
4ª blogagem e post final com todos os blogs participantes
Avaliação da
5ª blogagem coletiva
Compilação da
6ª blogagem coletiva.


Eu, desumana

Faz um certo tempo que me desconheço. Não me reconheço em ações e atitudes e nem mesmo na revolta, minha velha parceira da vida inteira. Será esse o lado bom da dor? Não falo da dor extrema que vem em contrações porque já sabe de antemão que o corpo não vai aguentar, mas àquela dor moto-perpétuo.

Há um ano, numa tarde muito fria (tipo 5ºC no máximo) e ensolarada, olhei meu filho dormindo, me debrucei sobre ele na cama, dei um longo beijo nele e saí quase que correndo porta afora antes que perdesse a coragem. Ainda não voltei. Os planos ainda não funcionaram. Nada ainda deu certo e não há um dia em que não me pergunte se darão, se valerá a pena… Certo mesmo só essa dor, que já fez morada. No dia em que ela for embora é capaz que sinta o vazio, o buraco no peito.

Já não me acho mais humana. Mutei. Virei uma outra coisa qualquer, sem nome, sem definição. De vez em quando me divirto, rio e até consigo relaxar. Mas acho graça e um tanto estranho se alguém me pergunta se estou feliz… Sobrevivo com um pedaço meu imenso longe de mim. Como seria possível a felicidade assim?

Para não ficar muito chata eu digo que aguento, que seguro as pontas, que só alguns dias é que são piores… A incrível arte de tentar mentir para si mesma, respirar fundo e tentar racionalizar a dor dizendo que será só por mais um dia. Não será. Mas, tomara que não demore muito.

Se alguém tiver algum alento não se acanhe em oferecer.

.

Mais?
Dias de Mudança
Estranhamento
O amanhã colorido
Vapor de água
O caminho escolhido


Filhote dinossauro… [2]

4h54 :: No exato momento em que esse post vai ao ar meu filhote dinossauro está completando 16 anos de vida. E, pela primeira vez não estou às voltas com seu bolo ou enchendo os balões e nem amanhã será dia de festa. Pelo menos não para mim.

É o primeiro aniversário do meu dino em que estou longe dele e não que esse dia doa mais do que todos os outros em que estamos separados, mas é significativo. É como se o punhal que faz sangrar meu coração diariamente afundasse mais e ainda girasse… Dor quase insuportável.

Vivo pelo dia do nosso reencontro, o dia em que poderei ficar contemplando seu rosto como nessa foto em que ele tinha só seis meses e poderei tê-lo debaixo da minha pata de mãe dinossaura de novo.

Para mim ele será sempre esse filhotinho.

.

Leia também: Dinossauro filhote…


Sobre a Lei da Anistia e a possibilidade de punição dos torturadores

Publicado originalmente no blog desarquivandoBR

Pequeno resumo sobre a situação da Lei da Anistia e as recentes  ações criminais do MPF e a possibilidade de punição dos torturadores e responsabilização do Estado brasileiro pelos crimes e violações de Direitos Humanos durante a ditadura militar brasileira

Algo mudou no cenário e no horizonte da investigação dos crimes cometidos pelo Estado brasileiro durante a ditadura militar a partir do dia 1º de março de 2012. A jornalista Míriam Leitão numa reportagem especial na Globo News sobre a intenção do Ministério Públicar Militar investigar o desaparecimento de Rubens Paiva e de outros presos políticos traz um elemento novo do ponto de vista jurídico sobre a possibilidade de punir os agentes do Estado brasileiros sobre as violações de Direitos Humanos cometidas durante a ditadura militar brasileira (1964-1985). O promotor da Justiça Militar Otávio Bravo lembra que foi o “Supremo Tribunal Federal que equiparou o desaparecimento forçado, quando é feito por agentes do Estado, ao crime de sequestro, que permanece. Só se encerra quando aparece a pessoa ou o corpo.” (fonte: O Globo)

O argumento é simples. A Lei da Anistia perdoou todos os crimes, mesmo os cometidos pelo Estado (assim entendeu o STF em abril de 2010, entendimento considerado uma aberração jurídica pelo sociólogo Eduardo González), entre 1964 e 1979 (mais especificamente 28 de agosto de 1979, data da promulgação da Lei da Anistia pelo então presidente João Figueiredo), mas se há provas ou pelo menos indícios do sequestro de pessoas por agentes do Estado e até agora não foram encontrados nem a pessoa viva ou seus restos mortais, quem garante que o crime teve fim em 1979? Ele pode ter continuado, a não ser que surjam documentos comprovando a morte desses desaparecidos e a indicação do local onde estão depositados seus restos mortais.  Ou seja, o que era até agora o maior trunfo dos militares e torturadores — a não comprovação da existência do crime, já que não apareceram os corpos — pode se voltar contra eles.

MPF já tinha dados sinais de disposição em abrir processos criminais contra agentes do Estado por pressão da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos e a partir desse novo entendimento jurídico, os MPFs de São Paulo, Pará e Rio Grande do Sul se reuniram para anunciar a ação que ingressariam na Justiça Federal do Pará contra o coronel da reserva do Exército do Brasil, Sebastião Curió Rodrigues de Moura pelo crime de sequestro qualificado contra cinco militantes, capturados durante a repressão à guerrilha do Araguaia na década de 70 e até hoje desaparecidos. Maria Célia Corrêa (Rosinha), Hélio Luiz Navarro Magalhães (Edinho), Daniel Ribeiro Callado (Doca), Antônio de Pádua Costa (Piauí) e Telma Regina Cordeira Corrêa (Lia) foram todos sequestrados por tropas comandadas pelo então major Curió entre janeiro e setembro de 1974 e, após terem sido levados às bases militares coordenadas por ele e submetidos a grave sofrimento físico e moral, nunca mais foram encontrados. Se condenado, Curió pode pegar de 02 a 40 anos de prisão.

O juiz federal João César Otoni de Matos, de Marabá, rejeitou a denúncia baseado na Lei da Anistia (leia aqui a decisão). O MPF anunciou que vai recorrer ao mesmo tempo em que o MPF de São Paulo anunciou que ingressará com ação contra agentes do Estado pelo sequestro de 24 outros desaparecidos. Essas ações do MPF abriram o precedente de questionar novamente o STF sobre sua decisão em 2010. Por requerimento da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), os ministros apreciarão os embargos da decisão de 2010, que afastou por 7 votos a 2 a possibilidade de julgar os crimes cometidos pelos agentes da ditadura. Duas questões devem ser colocadas à mesa para os ministros, que não foram abordadas no julgamento anterior. A primeira é a decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que impõe o julgamento dos atos dos agentes públicos, ao considerar inválidas, à luz das Convenções Internacionais, todas as leis de autoanistia que pretenderam evitar apuração de crimes contra a humanidade. A segunda, o movimento do Ministério Público Federal para o julgamento dos crimes que, diante do caráter de permanência, não sofreriam efeitos da Lei da Anistia ou da prescrição. Seriam assim os casos de sequestro ainda não solucionados. (fonte: portal Terra)

novo julgamento da Lei da Anistia pelo STF deve ocorrer nessa semana (quinta-feira, 29 de março), já na semana da 5ª Blogagem Coletiva #desarquivandoBR. Então, se você pretende participar enfocando a revisão da Lei da Anistia já pode começar.

Leia também o artigo de Luís Fernando Camargo de Barros Vidal que analisa ação do MPF contra torturador da ditadura, publicado na Revista Caros Amigos. Tem ainda os artigos A Lei da Anistia é válida para crimes cujas vítimas seguem desaparecidas?, de Ivan Marx e Sergio Suiama, e Os penduricalhos da mentira, de Chico Assis Rocha.


Convocação da 5ª Blogagem Coletiva #desarquivandoBR

Mais uma vez alguns blogueiros e ativistas estão unindo forças para realizar outra blogagem coletiva #desarquivandoBR. O objetivo dessa blogagem continua sendo a abertura dos arquivos secretos da ditadura militar, a investigação dos crimes e violações de direitos humanos cometidos pelo Estado brasileiro contra cidadãos, a localização dos corpos e restos mortais dos desaparecidos políticos, e a revisão da Lei da Anistia para que se possa processar e punir criminalmente os torturadores, além de responsabilizar o próprio Estado pelos crimes de tortura, assassinato e desaparecimento forçado no período entre 1964 e 1979.

A Quinta Blogagem Coletiva #desarquivandoBR se realizará de 28 de março a 02 de abril e para participar basta linkar esse post num texto inédito sobre os temas citados. Sugerimos o enfoque na Comissão da Verdade (deverá ser nomeada em breve pela Presidência da República) e revisão da Lei da Anistia (será novamente discutida no STF na próxima semana). No dia 03 de abril publicaremos um post reunindo todos os textos participantes.  Para participar basta informar no final do seu post que ele faz parte da 5ª Blogagem Coletiva #desarquivandoBR e linkar esse post convocatória. No dia 03 de abril publicaremos um post reunindo todos os textos participantes.

Realizaremos também um tuitaço nos dias 31 de março e 1º de abril — aniversário do golpe militar — onde além de divulgarmos os posts já publicados para a blogagem estaremos relembrando e denunciando os crimes e violações de direitos humanos da ditadura militar. Essa luta é de todos que desejam ver as páginas ainda obscuras de nossa história reveladas e ansiam que a justiça seja feita.

Nossa luta é por justiça e pela preservação da memória. Para que se conheça, para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça.

——————————————–
Confira os links das edições anteriores do #desarquivandoBR:

Entrevista com Criméia Almeida e Suzana Lisbôa, em 12/01/2010 e a 1ª blogagem

Proposta da 2ª blogagem

Balanço da 3ª blogagem

Convocação da 4ª blogagem e post final com todos os blogs participantes

Além do blog desarquivandoBR que replicará todos os posts produzidos durante a 5ª blogagem e um clipping com todas as notícias e artigos publicados na imprensa sobre os assuntos referentes à nossa luta, temos um Paper.Li (jornal online para redes sociais produzido a partir das postagens da hashtag #desarquivandoBR no twitter e uma fan page no Facebook. E para quem tem perfil nas redes sociais da web, é possível colocar a marca da campanha no avatar.

Além de convocar os blogs e sites que participaram das blogagens anteriores e alguns que ainda não participaram, pedimos que coloquem o banner e reforcem na convocação: Global VoicesO Palco e o MundoOusar Lutar, Ousar Vencer!Blog do LimarcoBlog do TsavkkoCão UivadorRuminando IdeiasDêiticosDispersões Delírios e DivagaçõesBlog do Prof. Julio SosaJornalismo BBlog do MelloCheque SustadoNa Roda VivaAs agruras e as delícias de serBlog do Velho ComunistaMobilização BRSem JuízoOlho de CorvoEstado AnarquistaUm lugar de mato verde…Rocirda DemencockSociologia do AbsurdoJuntos Somos FortesBlog do ChicoComunica TudoA Navalha de DaliO Inferno de DandiAcerto de ContasBorboleta nos OlhosBidê BrasilCoisas da TamoncaImprensa NanicaCinema e Outras ArtesSub VersõesResistência CariocaMulher AlternativaCosmovisãoAdriana TorresNósNa Transversal do TempoTapes In My HeadChopinho FemininoRicochete PoéticoDesculpe a Nossa FalhaOutro BrasilQuem Tem Medo da Democracia?, Quodores.

.

PS 1: Alguns blogs  já escreveram posts e já colocaram o banner, mas reuni todos como assinatura da blogagem coletiva.
PS 2: Se esqueci de algum blog, por favor, me avisem para que eu possa acrescentar.

A noite mágica

As palavras ainda me faltam. Por mais que as cace não consigo achar os termos exatos para definir tudo o que senti, tudo o que foi o show do Morrissey, ex-vocalista do lendário The Smiths, no último dia 7 de março em Belo Horizonte. Só quem esperou por quase 25 anos por um show que achou que nunca poderia assistir pode (pode, não quer dizer que consiga) chegar perto de imaginar o que foi.

Fui apresentada aos Smiths através de There Is A Light That Never Goes Out quando tinha 14 anos, nos idos de 1986, e foi essa música que me salvou da mediocridade cultural do senso comum. Isso pode parecer meio elitista e arrogante, mas é justo o contrário. Sou proletária, filha de proletários, e se dependesse do que a indústria cultural de massas oferece à minha classe jamais teria ouvido Smiths ou tido acesso a outro tipo de cultura que não a massificada e massificadora. Naquele tempo ou se comprava os discos ou não se ouvia nada diferente do que tocasse no rádio.

Quando fiquei sabendo dos shows do Morrissey no Brasil este ano nem me animei. Sabia que não era pra mim. Além de estar falida, sem casa — I never never want to go home/ Because I haven’t got one/ Anymore — e meio que em trânsito, não imaginava estar em nenhuma das três capitais contempladas para receber o show — Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo.

Foi aí que a mágica começou a acontecer… Morrissey cancelou o show em Porto Alegre e anunciou Belo Horizonte no lugar. A grana que esperava receber (pela qual ainda espero) para poder sair de BH não caía nunca na conta (da Renata, né… porque eu sou tão marginal que nem conta em banco tenho) e eu fui adiando a partida, adiando… Um amigo de BH com quem não falava há alguns meses (ele estava sumido, passeando no subúrbio do senso comum — aquele mesmo do qual o Smiths me salvou), voltou a estabelecer contato e no meio de uma conversa boba ele me convidou para ir no show do Morrissey com ele — Take me out tonight/ Where there’s music and there’s people/ Who are young and alive. Juro que não levei a sério, embora ele costume ser assertivo e falar sério. Passaram uns dias e ele postou no meu mural no feicibúqui os ingressos já comprados. Meu queixo se esfacelou no chão e foi só aí que comecei a acreditar que iria mesmo realizar um sonho que de tão antigo nem alimentava mais.

Aí começaram os problemas… Quem nunca, né? De repente não sabia nem se teria onde ficar, dormir até o dia 7. Dias de agonia e por um triz não desisto de ir no show. Na última hora as coisas se resolveram (com a ajuda de três queridas amigas) e eu ficaria em BH o tempo exato de ir ao show, respirar, me recuperar e ir embora. Foi quase assim, exceto por algumas trapalhadas minhas, que se não existissem eu as inventaria ali na última hora.

O local do show é horrível e a acústica é um lixo, mas o Morrissey e sua banda superaram todos os problemas. Ele é um showman e sua banda consegue reproduzir no palco o que os Smiths faziam em estúdio. Isso eu não teria visto nem se tivesse ido a um show deles nos anos 80 —  quem é dessa época deve lembrar da decepção que era ouvir algumas músicas com mais efeitos reproduzidas ao vivo –. Desde o início do show parecia estar flutuando, em outro mundo, que misturava tempo e espaço naquele momento ali.

Gosto da carreira do Morrissey após Smiths, ele conserva muito da sonoridade e da inquietação nas composições, aquele tom meio dark, depressivo dos anos 80. Mas mesmo curtindo demais o show todo eu esperava ansiosamente pela música mágica, e ele deixou a maioria das seis músicas que tocou do Smiths para o final (set list show BH).

No primeiro acorde de There Is A Light That Never Goes Out as lágrimas brotaram. Era um misto de alegria e tristeza, saudade e reencontro, vontade de sumir e explodir tudo-ao-mesmo-tempo-agora. Eu a chamo de “a música mágica” (tenho um playlist salvo no meu pc apenas com ela, repetida diversas vezes) porque é a música preferida do Calvin, a música que o acalma. Ele adora Smiths. Eu o ensinei a gostar. E foram muitas as nossas madrugadas cantando e dançando There Is A Light That Never Goes Out repetidamente (é… não é fácil nos aturar). Estou há tanto tempo longe do Calvin que a saudade me rasga e tê-lo de volta nesse momento foi mágico. Teve uma hora que fechei os olhos e o consegui imaginar ali comigo, cantando e dançando. Só por isso o show inteiro já valeria – Take me out tonight/ Take me anywhere/ I don’t care, I don’t care, I don’t care/ Just driving in your car/ I never never want to go home/ Because I haven’t got one.

Saí de Belo Horizonte flutuando (mesmo com todos os percalços depois), nessa vibe que ainda não saiu de mim. Domingo, além de assistir pela web ao vivo ao show de São Paulo, consegui baixar um dos shows que Morrissey fez no Chile e mesmo sendo outro set list ainda não consegui parar de ouvir, porque There is a light that never goes out… There is a light that never goes out… There is a light that never goes out…

O meu amigo de BH não faz ideia — e mesmo que tente explicar jamais conseguirei — do bem que me fez. Sim, “to die by your side/ well, the pleasure and the privilege is mine“, senhores Erik e Morrissey. :)

.

PS: No final da música mágica, sexta música nesse show do Chile, ele vai até perto da plateia e abraça uma fã. Morri de inveja!!!


Entrevista (atrasada) com Ivan Lins

Tive o prazer, a sorte e a honra de entrevistar Ivan Lins em Pelotas logo após seu show no Theatro Guarany em 16 de novembro de 2010. Ivan iniciou em Pelotas a turnê Perfil para comemorar seus 40 anos de carreira. A entrevista foi tão bacana, mas tão bacana, e o Ivan foi tão gentil e tão disponível, respondendo todas as minhas perguntas que não sentia necessidade de publicá-la. Fiquei tão satisfeita com essa entrevista que a guardei durante mais de um ano só para mim. Pensem que o cara tem quatro décadas de carreira e entrevistas, reconhecimento no Brasil e consagração no exterior e em nenhum momento emitiu opinião sobre minhas perguntas ou se mostrou impaciente. Ivan é um artista ímpar e um ser humano simples e humilde, me respondeu olhando nos olhos (ai ai…), concentrado nas perguntas e no papo.

Não me acho grande coisa como entrevistadora — sou do tipo que fica interrompendo as respostas com pitacos, chata mesmo –, estava morrendo de dor de cabeça, esperei até a última tia velha aflita tirar foto com ele numa fila interminável de fãs no camarim após o show, cheguei a me perder no meio da entrevista (quem não se perderia diante daquele sorriso há apenas meio metro de distância?) e mesmo assim ele foi paciente e atencioso. Um gentleman, comigo e com todos. Quem nunca se apaixonou pelo entrevistado e guardou a entrevista só para si, né? Jornalista doida é isso. :P

Falamos de música, política (e lembrem-se sempre que a entrevista foi feita em novembro de 2010), sobre o desafio de compor durante a ditadura militar, sobre o Ministério da Cultura, futebol… Confiram.

percebam a distância e avaliem o meu "nervosismo"... meu rosto queimava.

Tem diferença fazer sucesso no Brasil e no exterior?
Existe uma certa diferença pelo fato de que o sucesso que se faz no seu país é um encontro com suas raízes, com os motivos pelos quais levaram você a se dedicar tanto à sua arte. Sou filho desse país, tudo que eu sei, tudo que sou eu devo a essa terra, a esse povo, a todas as pessoas com quem eu tive a oportunidade de conviver, com todo o carinho que eu recebi através dos meus shows. Esse sucesso para mim é o melhor de todos. O sucesso que a gente faz lá fora a gente simplesmente está levando o nosso país para lá, eu canto meu país lá fora, eu sempre levo o que há de melhor daqui para falar lá, porque meu país é um lugar especial, de um povo muito especial. O sucesso que a gente faz lá fora é diferente, não sou eu sozinho, sou eu e o meu povo todo.

Em todas as profissões tem aquelas coisas que fazemos com mais prazer e outras que fazemos pela obrigação no exercício do ofício. O que mais te dá prazer na tua profissão?
É a liberdade que eu tenho para desenvolver a minha arte. Eu criei o meu próprio espaço e faço com que esse espaço seja mais amplo possível e ao mesmo tempo eu não fecho nem portas e nem janelas. Estou sempre aberto a tudo que possa vir. A beleza não é um privilégio meu, é de todas as pessoas. Todos têm um pouco de beleza dentro delas…
Todos têm a capacidade de ver o belo…
Isso… Eu sou muito fã dos meus colegas e me permito deixar influenciar por eles, e trabalho tanto com os mais velhos quanto com os mais jovens. Talvez esse seja o segredo. Eu me permito muito que os jovens me contaminem.

Ivan Lins sempre convida para seus shows um novo talento e em Pelotas o escolhido foi Leandro Maia, que além de mostrar uma composição sua, cantou "Bilhete" com Ivan na hora do bis

(Conheçam o trabalho do talentoso Leandro Maia em seu blog Palavreio e entendam porquê ele foi apadrinhado por Ivan Lins)

Falaste em liberdade de criação. Começastes numa fase difícil. Como foi criar e compor durante a ditadura,quando era preciso andar na corda bamba para não ser preso ou não ser censurado?
Foi um exercício de criatividade. Eu até acho engraçado isso, é um paradoxo. Assim como dizem que a dor é cafetina da arte, os momentos difíceis são também os momentos em que arte tem que se desenvolver com mais criatividade.
Tirar leite de pedra…
Exatamente. Os anos 60 e 70 foram o auge da criatividade da música no Brasil.

Gostas de futebol. Tricolor, né?
Eu sou tricolor, lá e aqui (infelizmente para os colorados).
(Tá tudo bem, não sou colorada…)
Até que ponto és torcedor? Vai a estádio, assiste jogo na televisão…?
Vou a estádio, assisto na tevê, fico nervoso, sofro, xingo.
Vai ser campeão?
Olha, não sei. Não consigo prever. Não acho que o Fluminense tenha o melhor time. Tem um grande técnico (Muricy Ramalho), mas não tem o melhor time. Acho que tem times melhores jogando. O time do Grêmio é muito bom, o time do Internacional é um time muito bom. Eu acho que os dois são melhores que o do Fluminense, apesar de estarem mais atrás na tabela. Sou um apreciador do bom futebol, gosto do espetáculo. Meu time não oferece um grande espetáculo nos jogos, tem ganho inclusive sem fazer boas apresentações, eu tenho gostado mais do time do Botafogo por exemplo. O time do Santos também tem oferecido um melhor espetáculo. Gostaria muito que o Fluminense fosse campeão, mas não sei se vai conseguir.

(para a alegria de Ivan e dos tricolores cariocas o Fluminense foi o campeão brasileiro de 2010)

Teu nome foi incluído numa carta de artistas em apoio a José Serra e depois teve um desmentido. Como foi isso? (o segundo turno das eleições de 2010 tinha acabado de acontecer)
Foi oportunismo do pessoal que trabalhava para o Serra, assim como fizeram para a Dilma também. Incluíram meu nome numa lista de apoio à Dilma ainda no primeiro turno. Mandei desmentir e disse que ia votar na Marina. Eles tiraram, tudo certo. Depois no segundo turno tava quieto, não ia votar mais em ninguém, eu anulei meu voto no segundo turno porque os dois candidatos deveriam se chamar Pinóquio e Pinóquia porque estavam mentindo demais pro meu gosto e eu não gosto de gente mentirosa, é uma das coisas que mais detesto. Então, anulei meu voto. Mas quando apareceu meu nome lá (lista de apoio à Serra) eu fiquei passado, muito passado. Não gosto do Serra, nunca gostei dele e se me perguntassem ‘de quem você gosta menos’ responderia Serra.

Como foi ter um colega como ministro da Cultura? Como ficou a música no período em que Gilberto Gil foi ministro?
Eu acho que a gestão do Gil foi fundamental para que a classe criasse mecanismos próprios para poder defender seus direitos e isso só começou com Gil no ministério, apesar do monte de críticas que fizeram a ele e que particularmente achei muito injustas, porque o Ministério da Cultura não é o ministério da música, o que falta é uma secretaria da música e essa é uma reivindicação, uma questão seríssima. De todas as artes a música é a que tem o maior poder de alcance, inclusive internacional, e por isso a necessidade de uma secretaria especial, mas isso não quer dizer que ela tenha ou vá ter prioridade de verbas, pelo contrário, porque eu acho que a cultura começa com a preservação das raízes, da memória, do patrimônio. Não existe um país se não tiver sua memória preservada. Esse é o grande trabalho que precisa ser feito no Brasil. O Brasil é um país que se distrair perde a memória fácil, diferentemente dos países da Europa. Nós tivemos muito do nosso patrimônio dilapidado, destruído dentro das grandes cidades e eu acho que esse é um trabalho que tem que ser feito e exige um investimento muito alto. Esse foi um dos trabalhos que foram feitos, principalmente a partir de Gil e do Juca Ferreira, que é o grande responsável por essa área. Juca Ferreira é o homem que está fazendo o melhor trabalhado de toda a história de preservação de memória, de patrimônio e de folclore desse país. O Brasil tem manifestações folclóricas que estão desaparecendo e as novas gerações não estão acompanhando, e o grande esforço para que essas manifestações se preservem foram iniciadas a partir do Gil. Mas essas iniciativas não chegam ao grande público, não chegam aos interessados. Cada um olha muito pro seu próprio nariz… os músicos, o pessoal do teatro, do cinema… Todo mundo só querendo ver o seu lado, mas ninguém pensou que antes disso o país precisa ter suas raízes e essências preservadas. Se eu fosse ministro também me dedicaria 80% a preservação do patrimônio e 20% ao resto. Foi isso que o Gil e o Juca fizeram e apanharam de todo mundo. Eu sou um dos grandes defensores do trabalho feito e se o Juca Ferreira puder ficar no próximo governo sou totalmente favorável.

(Infelizmente, Juca Ferreira não ficou no Ministério da Cultura)

Estás sempre compondo, é um hábito?
Eu sou muito compulsivo para criar, mas ultimamente não tenho tido é tempo. Tenho trabalhado demais e é uma consequência da crise financeira e de mercado da música brasileira. As grandes gravadoras acabaram, a pirataria de uma certa forma acabou com um lado da indústria, o outro lado, da internet com os downloads (que é a chamada pirataria informal) prejudica muito. Essa principalmente me prejudica bastante.
Não és tão popular para vender em camelô…
É… Exatamente. Então hoje eu sou obrigado a trabalhar mais para pagar minhas contas e não tenho tido muito tempo para compor, infelizmente.

Gostas de viajar pelo interior, conhecer o país nessa rotina de shows?
Adoro viajar, adoro conhecer… Adoro conhecer a arquitetura e a história, vou a museus…
Essa é uma questão importante para ti, da preservação do patrimônio…
Tenho muita vontade de fazer um trabalho pelo Brasil, se alguém financiasse, fazendo documentários, criar movimentos de preservação. Eu sou um entusiasta do folclore brasileiro, da preservação das nossas raízes. Esse país é incrível! E olha que eu conheço só 20% dele.

Se fosses te definir… Quem é Ivan Lins?
Eu sou um cidadão brasileiro, um bom cidadão brasileiro, compromissado com a beleza. Tenho um compromisso com a beleza no seu sentido real, amplo, interior. E por amar demais esse país eu me indigno e sou muito crítico. Eu sou um brasileiro que cobra e ama muito.

.

(Fotos Murilo Paulsen, Portal VIP Pelotas)

.

PS: Agradecimento especial aos queridos Alex e Martha Fonseca, sem os quais não teria chegado nem perto do Ivan Lins.

.


E fez-se a luz!

.
Dia 31 — Um livro que acendeu a luz na minha cachola (extra)

.

Durante o desafio de escrever sobre trinta livros em um mês segui os itens propostos, ou pelo menos tentei, já que não fui eu que pensei a brincadeira. Acabei esquecendo um livro muito importante na minha vida, aquele que acendeu uma luz dentro da minha cachola. Sabe qual é, aquele livro, aquela ideia que te faz ver o mundo diferente, com outras cores e ritmo? Decidi escrever um post extra e criar um item específico para ele.

Só lembrei disso porque fui responder a uma pergunta desafiante do amigo Mirgon Kayser sobre qual livro tinha mudado a minha vida e só consegui pensar em dois: Don Quixote de Miguel de Cervantes, que mudou minha relação com os livros e com a literatura, e o Manifesto Comunista de Karl Marx e Friedrich Engels. Sim, só poderia ser. Foi o Manifesto Comunista que acendeu essa luz dentro da minha cachola quando tinha quinze anos de idade.

Costumo dizer que nasci comunista e a teoria do Marx apenas se encaixou ao que já pensava e a minha forma de ver o mundo. Passei anos me sentindo um pouco amordaçada e reprimida dentro do PT que sequer socialista se dizia. Embora eu participasse de correntes bem mais à esquerda que o próprio PT (sim, teve uma época que o PT foi esquerda), havia os PC’s que me impediam de me dizer comunista. Claro que estou falando apenas de nomenclatura, porque durante os dez anos em que estive no PT não tive motivos para me envergonhar do partido ou pelo menos dos meus companheiros mais próximos.

O Manifesto Comunista foi responsável por diminuir o meu incômodo com o mundo, não no sentido de me acomodar mas de entender de onde vinha tanta inquietação e porque a exclusão de pessoas segundo sua classe social ou sua raça me chamava a atenção já nas minhas primeiras relações sociais fora da família, no Jardim da Infância com apenas cinco anos.

Até ler o Manifesto Comunista, o sentido de me reunir com pessoas que pensassem parecido e que tivessem o objetivo de transformação era totalmente aleatório e intuitivo. Foram Marx e Engels que me indicaram a qual grupo eu pertencia, a direção e o caminho a percorrer. Tem como não amar?

“A história de toda as sociedades existentes até aqui é a história de lutas de classes.
Homem livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo, mestre de corporação e oficial, em suma, opressores e oprimidos, estiveram em constante oposição uns aos outros, travaram uma guerra ininterrupta, ora franca ora disfarçada; uma guerra que terminou sempre ou por uma transformação revolucionária, da sociedade inteira, ou pela destruição das duas classes em luta.” (trecho do Manifesto Comunista, capítulo Burguesia e Proletariado)

Escrevi este post enquanto revia O Último Imperador, de Bernardo Bertolucci, e me percebo fisgada de novo com meu compromisso na luta pela libertação dos oprimidos, com luta da minha classe. E não há forma melhor de enxergar isso do que em meio à crítica, diante da distorção do manifesto de Marx e Engels, como foram todas as experiências do chamado “socialismo real”.

Baixe daqui o Manifesto Comunista em pdf.

.

No desafio 30 livros continuam a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Marília do Mulher Alternativa, a Mayara do Mayroses, a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim, a Renata do Chopinho Feminino, a Júlia do Uma Noite Catherine Suspirou Borboletas e o Eduardo do Crônicas de Escola. E tem mais a Fabiana que posta em notas no seu perfil no Facebook.

A Luciana do Eu Sou a Graúna, a Tina do Pergunte ao Pixel, a Rita do Estrada Anil, o Pádua Fernandes de O Palco e o Mundo, a Grazi do Opiniões e Livros e a  Juliana do Fina Flor já terminaram o desafio. Eu escrevi mais um post de maluca que sou, Rá!!!

.


Despedida e vontades

.
Dia 30 — Um livro que você ainda não leu mas quer

.

Último dia do desafio 30 livros em um mês e depois de ler tantos relatos apaixonados tenho uma lista interminável de livros que desejo ler. A Mayara fez um relato tão lindo de “A Mulher Habitada” da Gioconda Belli que é impossível não desejar ter pelo menos um pedacinho de sua emoção, e eu já o baixei em espanhol.

Marília escreveu sobre “Três Vidas” da Gertrude Stein como uma de suas autoras favoritas e como, vergonhosamente, ainda não li nada dessa escritora esse está na mira. A fofa, e ainda desconhecida pra mim, da Grazi me deixou com vontade de ler dois de seus livros favoritos, “A Mulher Desiludida” de Simone de Beauvoir e “A Cidade do Sol” de Khaled Hosseini — conheço os dois autores e isso só faz a vontade aumentar.

Seguindo a lista, a Cláudia me revelou uma história que parece ser bem conhecida, só eu não deveria saber, sobre a autora de “Frankenstein“, Mary Shelley que o escreveu com apenas 19 anos entre 1816 e 1817 e deu o pontapé inicial no gênero de terror gótico. Mesmo conhecendo a história do universitário que cria um monstro e depois abandona sua criatura, fiquei com vontade de ler o original escrito por essa guria. A querida da Renata Lima me ensinou muitas coisas com seu afeto pelos livros, histórias e personagens. Desde que a conheci nunca mais consegui ir dormir sem ler pelo menos uma página e isso me faz um bem danado, um bem que ela me trouxe junto com a dica de um de seus livros mais queridos, “O Sol é Para Todos” de Lee Harper. Eu chego lá.

Pulando para a outra Renata, a Lins, descobri uma história dela com um livro que é de fazer chorar. Não vejo a hora de poder ler “O Encontro Marcado” de Fernando Sabino e poder entender um pouco mais dessa emoção e conhecer um pouco mais dessa generosa amiga que tenho certeza, veio pra ficar na minha vida. Da fina flor Juliana fiquei intrigada com sua série favorita do Peter Robinson que são cinco livros policiais, “Perto de Casa” — “Pedaço do Meu Coração” — “Caso Estranho” — “Brincando com Fogo” — “Amiga do Diabo” e não sei se chego a ler todos (não curto muito histórias policiais), mas prometo experimentar pelo menos um.

Fiquei impressionada com o Eduardo de quem não conheço nada e que postou como livro mais querido de todos “Cartas a um Jovem Poeta” do Rainer Maria Rilke que é o meu livro de cabeceira e o livro que mais vezes li na vida, e agora é como se já soubesse muito de sua alma. A Tina, que começou tudo isso, me deixou várias vontades como “O Chão que Ela Pisa” de Salman Rushdie, “O Animal Agonizante” de Philip Roth (que originou o roteiro do filme “Elegy” que eu amo) e ainda “O Filho Eterno” de Cristovão Tezza.

Da instigante Júlia vem o amor por Mario Benedetti e ficou a dica de um livro dele que eu ainda não li, “La Tregua“, e uma vergonha intergalática que terei que assumir aqui: eu desconheço, ignoro por completo, “O Guia do Mochileiro das Galáxias” de Douglas Adams. Me informou a Júlia que são cinco livros e não vai ser fácil ler tanta ficção científica, mas preciso me livrar dessa vergonha. Questão de honra. Da lista da sensível e suave Rita vieram duas dicas preciosas “A Soma dos Dias” de Isabel Allende e “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” de Stieg Larsson (essa dica ganhou o reforço da Renata Lima). Na lista ainda incompleta da Fabiana encontrei poucos livros com os quais me identifiquei, nosso gosto diverge bastante, acho, e espero vê-la concluir o desafio para conhecê-la melhor através de seus livros.

Por último. O desafiador Pádua Fernandes me deixou uma lista interminável de livros e vontades. Poucas vezes conheci alguém com um gosto literário tão estranho a mim, foge completamente à obviedade e ao senso comum, e escolhi um para citar aqui: “Folhas de Relva” de Walt Whitman, que lerei em breve. E por fim, fim mesmo, a Graúna doida e bandoleira da Lu que citava tantos livros em cada um de seus posts que quase me enlouqueceu. Ficou a vontade imensa de mergulhar de novo em Clarice Lispector e reler com urgência “O Morro dos Ventos Uivantes” de Emily Brontë, onde há a mais romântica frase de todas (segundo a Graúna):  “seja do que for que nossas almas são feitas, a dele e a minha são iguais”.

.

No desafio 30 livros continuam a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Marília do Mulher Alternativa, a Mayara do Mayroses, a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim, a Renata do Chopinho Feminino, a Júlia do Uma Noite Catherine Suspirou Borboletas e o Eduardo do Crônicas de Escola. E tem mais a Fabiana que posta em notas no seu perfil no Facebook.

A Luciana do Eu Sou a Graúna, a Tina do Pergunte ao Pixel, a Rita do Estrada Anil e o Pádua Fernandes de O Palco e o Mundo, Grazi do Opiniões e Livros e a  Juliana do Fina Flor já terminaram o desafio e eu encerro hoje, finalmente.

.


Nunca leram um livro inteiro pra mim… #MiMiMiMi

.
Dia 29 — Um livro que alguém leu pra você

.

Não lembro de alguém lendo um livro para mim, pelo menos não inteiro. Mas na minha infância o meu avô paterno, Francisco, lia trechos da bíblia para mim (pelo visto não adiantou muito) e lembro de gostar. Acho que esse foi o meu primeiro contato com o realismo fantástico, porque tem algumas histórias, “vamu combiná”, que não críveis. A Renata escreveu um post divertidíssimo a respeito.

Lembro da minha adolescência da minha querida amiga Fernanda lendo trechos de qualquer livro que estivesse lendo para mim ou das matérias de revista que curtia. A Fernanda tem um dom inexplicável de traçar paralelos com realidades cotidianas e isso acontece no sentido inverso também. De repente ela está vendo uma cena babaca de novela e diz que ali está presente o conceito x do pensandor y, desenvolve um pouco mais e não há como discordar. É um privilégio conviver com a Fernanda, verdadeiro aprendizado.

Já no comecinho da faculdade tive um colega, na verdade um amor recolhido, que gostava de ler trechos do Ferreira Gullar para mim enquanto eu lia Lobo da Costa para ele.

Confesso que gostaria demais de ter um livro que pudesse citar nesse item, mas só tenho mais algumas lembranças para dividir. #MiMiMiMi

.

No desafio 30 livros em um mês a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Marília do Mulher Alternativa, a Grazi do Opiniões e Livros, a Mayara do Mayroses, a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim, a Juliana do Fina Flor, a Renata do Chopinho Feminino, a Júlia do Uma Noite Catherine Suspirou Borboletas e o Eduardo do Crônicas de Escola. E tem mais a Fabiana que posta em notas no seu perfil no Facebook.

A Luciana do Eu Sou a Graúna, a Tina do Pergunte ao Pixel, a Rita do Estrada Anil e o Pádua Fernandes de O Palco e o Mundo já terminaram o desafio.

.


Gravado no coração

.
Dia 28 — Um livro que você pode citar de cor

.

Acho que não sei citar um livro de cor. Lembro de trechos inteiros de Cartas a um Jovem Poeta do Rilke, de A Moral Deles e a Nossa ou A Revolução Permanente de Trotsky, de Felicidade Clandestina da Cecília, de Memórias do Fogo ou d’O Livro dos Abraços do Galeano, de Mrs. Dalloway da Virginia e de muitos outros livros especiais para mim. Mas a única coisa que sei de cor mesmo é um poema do jornalista, poeta e teatrólogo pelotense Francisco Lobo da Costa, chamado Na Cela.

E como eu sou muito óbvia, já o recitei diversas vezes e em alguns casos mais graves o mandei escrito de próprio punho. Sanidade? Não trabalhamos.

Lobo da Costa viveu na Pelotas rica do período das charqueadas em que a cidade respirava cultura por todos os poros. Francisco, de classe média, muito inteligente e boêmio, era suportado pela elite pelotense nos saraus muito comuns em todos os salões e salas das famílias tradicionais de toda a região. Ele se apaixonou por uma jovem abastada, Saturnina Elvira, e dedicou a ela muitos de seus poemas. Inclusive esse que sei de cor, e que eu acho o mais lindo de todos.

Na Cela

Talvez tua leias meus versos
Ao longe, onde quer que estejas
E neles de manso vejas
Uns traços de quem chorou
Como do fúnebre arbusto
No triste e medroso galho
Treme uma gota de orvalho
Depois que a noite passou
Talvez tu leias e saibas
Do meu infortúnio a mágoa
E os olhos bem rasos d’água
Te fiquem por compaixão
E procures no silêncio
Da tua tristonha herdade
Abafar uma saudade
Que nasce do coração!
Mas, se soubesse que a parca
Roçou-me a fronte já fria
Uma lágrima sombria
Deixa dos olhos rolar
Mas não fales – não blasfemes
Contra os rigores da sorte
Pois bem sabes só a morte
Nos podia separar.

Conheci a história de Lobo da Costa numa peça de teatro quando tinha 16 anos na antiga Escola Técnica Federal de Pelotas, dirigida por Valter Sobreiro Junior, chamada “Em Nome de Francisco“. E as coincidências dessa vida são tantas que anos mais tarde, o filho mais velho do Valter que era ator e que interpretou Lobo da Costa nessa peça casou com a minha melhor amiga, Fernanda, e eu sou madrinha do filho dos dois — hoje um baita guri, com 16 anos.

Lobo da Costa foi encontrado morto aos 34 anos por um carroceiro numa sarjeta de Pelotas, nu, na manhã de 19 de junho de 1888 (inverno), depois de fugir da Santa Casa de Pelotas onde estava internado. Viveu seus últimos três anos entre hospitais e bares.

Coisas de Satolep.

Leia aqui outro poema de Lobo da Costa, “Adeus“.

.

No desafio 30 livros em um mês a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Marília do Mulher Alternativa, a Grazi do Opiniões e Livros, a Mayara do Mayroses, a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim, a Juliana do Fina Flor, a Renata do Chopinho Feminino, a Júlia do Uma Noite Catherine Suspirou Borboletas e o Eduardo do Crônicas de Escola. E tem mais a Fabiana que posta em notas no seu perfil no Facebook.

A Luciana do Eu Sou a Graúna, a Tina do Pergunte ao Pixel, a Rita do Estrada Anil e o Pádua Fernandes de O Palco e o Mundo já terminaram o desafio.

.


Porque nem sempre os finais são felizes

.
Dia 27 — A história de amor favorita

.

A mais fácil das escolhas desse meme. Quando olhei a lista de cara sabia que a história de amor favorita era (e é, e acho que sempre será)  O Amor nos Tempos do Cólera, de Gabriel García Márquez. Desculpem-me os fãs de Shakespeare, mas a história de Fermina e Florentino coloca no chinelo Romeu e Julieta, porque ao invés de morrerem jovens (adolescentes) e inconsequentes por amor, os personagens de García Márquez vivem, sobrevivem, por amor para se encontrarem, finalmente, ao final da vida. Porque se é para amar que seja para viver, para impulsionar a vida. Né?

Quando essa história ganhou uma versão para o cinema — que não lhe faz justiça, muito pelo contrário e nem o fato de Florentino ser interpretado por Javier Bardem (ah, o Bardem…) me empolgou, é sua pior atuação no cinema (na minha modesta opinião) — li uma crítica do Érico Borgo em que ele conta como foi apresentado ao livro. Disse Érico: Quando li pela primeira vez O Amor nos Tempos do Cólera, um amigo que me emprestou o romance avisou categórico: “Cem Anos de Solidão é incrível, mas o próprio Gabriel García Márquez disse que este é o livro que ele ‘escreveu com as entranhas’”. Se o colombiano prêmio Nobel de literatura realmente declarou isso ou não, não sei – e a história é boa demais para ser desmentida por uma eventual busca no Google. Gosto dela assim. De qualquer forma, o que falta ao filme que adapta o livro é justamente isso… “entranhas”. Certíssimo, ele! Gostei tanto dessa história e ela se encaixa tanto, parece tão verdadeira, que também não quero saber se é de fato verdade. García Márquez a escreveu com as entranhas, ponto.

Um amor sem regras ou barreiras entre dois jovens com suas cartas viscerais transbordantes de afeto, ambientado numa pequena cidade caribenha no final do século XIX e que resistiu à distância, aos preconceitos e à hipocrisia da sociedade em que viviam e ao tempo. Viveram separados durante toda a vida, sobreviveram é a expressão correta. Florentino jurou amor eterno a Fermina e mesmo quando ela se casou com Juvenal Urbino sua jura persistiu. Ele se relacionou com muitas mulheres durante a vida sem se envolver com nenhuma, enquanto construía uma fortuna pensando no dia em que poderia conquistar Fermina. Esse dia chegou só quando o marido dela morreu, mais de cinquenta anos depois do primeiro encontro.

García Márquez é um sedutor inveterado, pelo menos para leitoras como eu que se atraem pela dificuldade, pelo desafio. Quanto mais difícil e estranho o texto, mais o quero. Virei refém de García Márquez nessa história. Lembro até hoje do suspiro longo e profundo e meio infinito quando li as últimas frases de O Amor nos Tempos do Cólera:

- Está dizendo isso a sério? – perguntou.
– Desde que nasci – disse Florentino Ariza – não disse uma única coisa que não fosse a sério.
O comandante olhou Fermina Daza e viu em suas pestanas os primeiros lampejos de um orvalho de inverno. Depois olhou Florentino Ariza, seu domínio invencível, seu amor impávido, e se assustou com a suspeita tardia de que é a vida, mais que a morte, a que não tem limites.
– E até quando acredita o senhor que podemos continuar nesse ir e vir do caralho? – perguntou.
Florentino Ariza tinha a resposta preparada havia cinquenta e três anos, sete meses e onze dias com as respectivas noites.
– Toda a vida – disse.

Mesmo que Florentino e Fermina não terminassem a história juntos, essa ainda seria a minha história de amor favorita, porque na vida real, longe dos contos de fada, nem sempre os finais são felizes mesmo que o amor seja intenso e dure a vida toda.

Baixe daqui O Amor nos Tempos do Cólera em pdf.

.

No desafio 30 livros em um mês a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Marília do Mulher Alternativa, a Grazi do Opiniões e Livros, a Mayara do Mayroses, a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim, a Juliana do Fina Flor, a Renata do Chopinho Feminino, a Júlia do Uma Noite Catherine Suspirou Borboletas e o Eduardo do Crônicas de Escola. E tem mais a Fabiana que posta em notas no seu perfil no Facebook.

A Luciana do Eu Sou a Graúna, a Tina do Pergunte ao Pixel, a Rita do Estrada Anil e o Pádua Fernandes de O Palco e o Mundo já terminaram o desafio.

.


O gosto das lembranças…

.
Dia 26 — Um livro que lhe faz adormecer

.

O livro que me faz/fazia adormecer — e talvez por isso eu durma tão mal de uns tempos para cá — é um livro de pequenos e deliciosos contos de Clarice Lispector, Felicidade Clandestina. Clarice escreve de um jeito como quem te pega pela mão e te leva para passear no jardim da sua infância, das suas mais ternas lembranças. E esse, em especial, é uma canção de ninar.

Teve uma época, confesso, que nutria um certo preconceito com Clarice, achava-a muito viajandona. Nessa época minha leitura era muito pesada, sólida e as letras de Clarice pareciam desvios. Até o dia em que peguei o caminho do desvio e me fui sem data para voltar.

O conto de abertura e que dá título ao livro é mágico. Uma menina (que parece ser a autora, o conto é escrito na primeira pessoa) sedenta pela leitura e sem recursos para custear sua fome de letras se deixava vitimar pelo sadismo de outra menina que a torturava em seu desejo de viajar nas páginas do livro prometido — Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato. Clarice termina esse conto dizendo: “Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.

Mas o conto com que mais vezes adormeci lendo, que conta sobre travessuras de guria roubando rosas e pitangas, vou socializar:

.

Cem anos de perdão

Quem nunca roubou não vai me entender. E quem nunca roubou rosas, então é que jamais poderá me entender. Eu, em pequena, roubava rosas.
Havia em Recife inúmeras ruas, as ruas dos ricos, ladeadas por palacetes que ficavam no centro de grandes jardins. Eu e uma amiguinha brincávamos muito de decidir a quem pertenciam os palacetes. “Aquele branco é meu.” “Não, eu já disse que os brancos são meus.” “Mas esse não é totalmente branco, tem janelas verdes.” Parávamos às vezes longo tempo, a cara imprensada nas grades, olhando.
Começou assim. Numa das brincadeiras de “essa casa é minha”, paramos diante de uma que parecia um pequeno castelo. No fundo via-se o imenso
pomar. E, à frente, em canteiros bem ajardinados, estavam plantadas as flores. Bem, mas isolada no seu canteiro estava uma rosa apenas entreaberta corde-rosa-vivo. Fiquei feito boba, olhando com admiração aquela rosa altaneira que nem mulher feita ainda não era. E então aconteceu: do fundo de meu coração, eu queria aquela rosa para mim. Eu queria, ah como eu queria. E não havia jeito de obtê-la. Se o jardineiro estivesse por ali, pediria a rosa, mesmo sabendo que ele nos expulsaria como se expulsam moleques. Não havia jardineiro à vista, ninguém. E as janelas, por causa do sol, estavam de venezianas fechadas. Era uma rua onde não passavam bondes e raro era o carro que aparecia. No meio do meu silêncio e do silêncio da rosa, havia o meu desejo de possuí-la como coisa só minha. Eu queria poder pegar nela. Queria cheirá-la até sentir a vista escura de tanta tonteira de perfume.
Então não pude mais. O plano se formou em mim instantaneamente, cheio de paixão. Mas, como boa realizadora que eu era, raciocinei friamente
com minha amiguinha, explicando-lhe qual seria o seu papel: vigiar as janelas da casa ou a aproximação ainda possível do jardineiro, vigiar os transeuntes
raros na rua. Enquanto isso, entreabri lentamente o portão de grades um pouco enferrujadas, contando já com o leve rangido. Entreabri somente o bastante para que meu esguio corpo de menina pudesse passar. E, pé ante pé, mas veloz, andava pelos pedregulhos que rodeavam os canteiros. Até chegar à rosa foi um século de coração batendo.
Eis-me afinal diante dela. Paro um instante, perigosamente, porque de perto ela ainda é mais linda. Finalmente começo a lhe quebrar o talo, arranhando-me com os espinhos, e chupando o sangue dos dedos.
E, de repente – ei-la toda na minha mão. A corrida de volta ao portão tinha também de ser sem barulho. Pelo portão que deixara entreaberto, passei segurando a rosa. E então nós duas pálidas, eu e a rosa, corremos literalmente para longe da casa.
O que é que fazia eu com a rosa? Fazia isso: ela era minha.
Levei-a para casa, coloquei-a num copo d’água, onde ficou soberana, de pétalas grossas e aveludadas, com vários entretons de rosa-chá. No centro dela a cor se concentrava mais e seu coração quase parecia vermelho.
Foi tão bom.
Foi tão bom que simplesmente passei a roubar rosas. O processo era sempre o mesmo: a menina vigiando, eu entrando, eu quebrando o talo e fugindo com a rosa na mão. Sempre com o coração batendo e sempre com aquela glória que ninguém me tirava.
Também roubava pitangas. Havia uma igreja presbiteriana perto de casa, rodeada por uma sebe verde, alta e tão densa que impossibilitava a visão da igreja. Nunca cheguei a vê-la, além de uma ponta de telhado. A sebe era de pitangueira. Mas pitangas são frutas que se escondem: eu não via nenhuma. Então, olhando antes para os lados para ver se ninguém vinha, eu metia a mão por entre as grades, mergulhava-a dentro da sebe e começava a apalpar até meus dedos sentirem o úmido da frutinha. Muitas vezes na minha pressa, eu esmagava uma pitanga madura demais com os dedos que ficavam como ensangüentados. Colhia várias que ia comendo ali mesmo, umas até verdes demais, que eu jogava fora.
Nunca ninguém soube. Não me arrependo: ladrão de rosas e de pitangas tem 100 anos de perdão. As pitangas, por exemplo, são elas mesmas que pedem para ser colhidas, em vez de amadurecer e morrer no galho, virgens.

Cresci entre duas casas no mesmo bairro na periferia de Pelotas e nas duas tinha um quintal imenso, com árvores de frutas e flores e eu podia brincar com as flores — quando não tinha ataques alérgicos, como quando resolvi me pintar com o amarelo dos bem-me-quer e comê-los — e numa dessas casas, a da minha avó, tinha várias árvores de frutas; goiaba, laranja, bergamota, araçá, ameixa amarela, pera, caqui, butiá e pitanga! Então, eu não precisava roubar rosas e pitangas e achava graça e relaxava com esse conto. Mas, preciso confessar, roubava rapadurinha de leite que a minha avó fazia. Sempre que leio esse conto chego a sentir o gosto das rapadurinhas da minha avó que, tenho certeza, deixava-as sempre no mesmo lugar de propósito para que eu as roubasse.

Baixe daqui Felicidade Clandestina em pdf.

.

No desafio 30 livros em um mês a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Marília do Mulher Alternativa, a Grazi do Opiniões e Livros, a Mayara do Mayroses, a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim, a Juliana do Fina Flor, o Pádua Fernandes de O Palco e o Mundo (quase no final), a Renata do Chopinho Feminino, a Júlia do Uma Noite Catherine Suspirou Borboletas e o Eduardo do Crônicas de Escola. E tem mais a Fabiana que posta em notas no seu perfil no Facebook.

A Luciana do Eu Sou a Graúna, a Tina do Pergunte ao Pixel e a Rita do Estrada Anil já terminaram o desafio.

.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 81 outros seguidores