Para sempre Satolep

.
Dia 22 — Livro favorito você teve que ler para a escola

Dia 22 — Um livro que é uma música (ou duas, ou três…)

.

Adaptando o item  “um livro favorito que se tornou música” do já adaptado desafio do Pádua Fernandes, cheguei a um livro que é uma música ou uma música que é um livro. Enfim, Satolep, a música que abre o terceiro disco do cantor, compositor e escritor pelotense Vitor Ramil (“A paixão de V segundo ele mesmo“, de 1984), acabou virando livro. Ou, não.

Satolep é o seu terceiro livro, foi lançado em 2008, esteve entre os dez romances finalistas ao Prêmio Jabuti de 2009, levou oito anos para ser escrito e tem como personagem central não o narrador mas seu pano de fundo, a cidade de Pelotas (terra natal de Vitor e minha).

O fotógrafo Selbor retorna a “úmida e fantasmática” Satolep (palíndromo da palavra Pelotas) no dia em que completa trinta anos. Nessa cidade construída na imaginação de Vitor Ramil, seu protagonista e narrador encontra personagens reais da história pelotense como o escritor João Simões Lopes Neto, o poeta e jornalista Francisco Lobo da Costa e o cineasta Francisco Santos (autor de um dos primeiros filmes de ficção do Brasil). O encontro de Selbor com seu passado nas ruas de Satolep lá pelos anos 20 do século passado é de certa forma o encontro de Vitor com o seu passado no retorno a Pelotas, quando decidiu morar em sua terra natal e manter ao mesmo tempo uma carreira nacional — o que segundo ele não é fácil, já que passa quase sete meses por ano longe de casa. Selbor foi inspirado num fotógrafo que realmente existiu e documentou a cidade de Pelotas no início do século XX. Suas fotos, publicadas no Álbum de Pelotas (1922), um livro real, da Pelotas real, organizado por Clodomiro Carriconde que serviram como ponto de partida para a história.

Uma espécie de diário de viagem, um relato indireto dessa minha volta a Satolep“. As imagens são intercaladas à narrativa sempre acompanhadas de textos breves, instantâneos. São esses curtos relatos que, seguindo os passos do narrador pela cidade, vão narrando poeticamente a sua trajetória. Deu pra entender? Uma espécie de narrativa em que o narrador faz uma auto narrativa e vai revelando sutilezas com um espírito lúdico e divagante, forjada na umidade de Pelotas.

Trechos de Satolep:

“A umidade de Satolep é a maior do mundo. Nela João Simões Lopes Neto viu as faces possíveis da M’boitatá em cruzes de esquinas iluminadas.”

“O calçamento perfeito e o traçado rigoroso das ruas o excitaram pela manhã; à tarde, a delicadeza das fachadas contra o horizonte selvagem da planície o emocionou; quando escureceu, superfícies úmidas espelhadas numa geometria de sombras cambiantes puseram-no a imaginar e conceber tantas coisas que, embora falasse sem parar, não encontrava tempo de descrevê-las para mim.”

“Satolep revelada na radicalidade dos ângulos retos; infalível como o relógio alemão na torre sobre o mercado; espalhando-se ao redor como um argumento inexorável.”

Disse Vitor numa entrevista, sobre Satolep (o livro) e sobre si:

“No livro, o personagem João Simões Lopes Neto diz que não é fácil dizer-se artista. Eu sinto isso. E olha que desde a infância eu não me imagino senão como um artista. Ser artista é um projeto de vida em que ninguém acredita, só tu. O artista abre mão dos movimentos mais fáceis, como cursar uma faculdade, ter emprego normal, salário. Ele sabe que terá que viver daquilo que criar. Quem garante que vai dar certo? Tomei a decisão de ser artista muito cedo, mas até hoje não estou muito seguro dela, embora eu saiba que estou inútil para qualquer outro trabalho. Eu já não conseguiria começar em outra profissão, tipo normal, com horário. Isso jamais vai me acontecer. Meu personagem João Simões (em Satolep) diz que um artista pode se dizer inadaptado, mas nem todo inadaptado pode se dizer artista. Sempre me senti meio inadaptado, não talhado para as coisas mais objetivas da vida. Mas sempre vacilei em me dizer um artista, em aceitar plenamente essa idéia. Acho que foi assim com João Simões. Ele tentou vários negócios, mas não foi bem em nenhum. Por que? Talvez porque fosse fundamentalmente um artista. Mas talvez fosse difícil para ele se dizer um artista, ainda mais naquela época. No contexto da vida cultural pelotense de então, de saraus, sinhazinhas tocando piano, coisas amadoras, não havia muita chance de a obra dele ser avaliada como deveria. O ponto de vista dos outros sobre ele sem dúvida era falho, não poderia ajudá-lo na tarefa de se conhecer.”

Não sei se posso dizer que Satolep é uma música que virou livro ou um livro que é uma música — talvez nem o Vitor tenha essa resposta –, mas para quem nasceu ou viveu em Pelotas e tem no seu imaginário uma Satolep lúdica, mítica, mágica e até fantasmática em meio a tanta umidade, arriscaria dizer que sim.

Link para comprar Satolep.

Assistam o book trailer de Satolep (a música de fundo é “Noturno”) e ouça aqui Noturno completa.

Vitor Ramil inverteu o nome da cidade porque Pelotas não encaixava na métrica da música, e Satolep sim. Eu tenho toda a discografia dele e de seus três livros só não li o primeiro, “Pequod” (tem ainda “A estética do frio”, de 2004). É meu músico favorito e ouvir sua música me faz caminhar mentalmente pelas ruas de Pelotas. Quer coisa melhor do que a música que te leva pra casa?

Trecho da música Satolep:

“Só, caminho pelas ruas
Como quem repete um mantra
O vento encharca os olhos
O frio me traz alegria
Faço um filme da cidade
Sob a lente do meu olho verde
Nada escapa da minha visão.
Muito antes das charqueadas
Da invasão de Zeca Netto
Eu existo em Satolep
E nela serei pra sempre
O nome de cada pedra
E as luzes perdidas na neblina
Quem viver verá que estou ali.”

Ouça aqui a música Satolep completa.

.

Aqui o site oficial do genial e amado Vitor Ramil.

.

No desafio 30 livros em um mês a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Marília do Mulher Alternativa, a Grazi do Opiniões e Livros, a Mayara do Mayroses, a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim, a Juliana do Fina Flor, o Pádua Fernandes de O Palco e o Mundo, a Renata do Chopinho Feminino, a Júlia do Uma Noite Catherine Suspirou Borboletas e o Eduardo do Crônicas de Escola. E tem mais a Fabiana que posta em notas no seu perfil no Facebook.

A Luciana do Eu Sou a Graúna, a Tina do Pergunte ao Pixel e a Rita do Estrada Anil já terminaram o desafio.

.

Anúncios

Sobre Niara de Oliveira

ardida como pimenta com limão! marginal, chaaaaaaata, comunista, libertária, biscate feminista, amante do cinema, "meio intelectual meio de esquerda", xavante, mãe do Calvin, gaúcha de Satolep, avulsa no mundo. Ver todos os artigos de Niara de Oliveira

Uma resposta para “Para sempre Satolep

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: