Bolsonaro, Noblat, crime e liberdade de expressão

.

.
Desde a semana passada que o país inteiro só comenta as declarações racistas de Jair Bolsonsaro no programa de humor (duvidoso) CQC da Band, ao responder uma pergunta da Preta Gil. Entre as pessoas que tenho contato virtual repercutiu mal, assim como repercutiu mal para o programa, para a emissora e para o Marcelo Tas de darem espaço a um ultrarreacionário por ser um polemisador e elevar a audiência. Mas com quem converso na rua, trabalho, ônibus – leia-se senso comum – não repercutiu tão mal assim. Essa é a parte assustadora da história. Fato é que Bolsonaro já está no sexto mandato consecutivo como deputado federal pelo Rio de Janeiro e na última eleição obteve em torno de 120 mil votos. Para quem não conhece o “nobre” (sic) deputado, basta olhar o naipe das polêmicas em que se envolve.
Mas Bolsonaro destilar seu preconceito, ódio, homofobia e racismo na tevê ou onde quer que seja não é novidade mais. Os ineditismos nesse episódio são: 1) talvez ele tenha que responder judicialmente pelo que disse já que Preta Gil decidiu processá-lo; 2) 20 parlamentares protocolaram ação na Câmara contra ele e; (3) o jornalista e blogueiro Ricardo Noblat saiu em defesa de Bolsonaro num artigo intitulado “O fascismo do bem” empunhando a bandeira da liberdade de expressão. É esse terceiro que quero comentar.
Desde quando incitar preconceito e crime é liberdade de expressão? O “nobre” (sic) jornalista deve ter ou perdido o pouco de noção e vergonha na cara que lhe restavam ou está de sacanagem mesmo. E como ele citou um fato ocorrido em Pelotas e que envolve nossa fama de cidade gay, não consegui não me manifestar.

Ricardo Noblat

No afã de defender Bolsonaro – sabe-se lá porquê –, Noblat comete dois equívocos. O primeiro de que os petistas teriam se calado diante da piada homofóbica de Lula sobre Pelotas. O tal comentário repercutiu muito mal na campanha e mesmo assim foram criticados abertamente e embora os adversários do então candidato à prefeito Fernando Marroni tivessem (não tenho dúvidas sobre isso) a mesma opinião de Lula sobre os gays e a nossa fama nacional, usaram incansavelmente o vídeo na disputa eleitoral local. Pelotas é uma cidade tão ou mais preconceituosa do que qualquer outra. Tanto que o Movimento LGBT daqui tem dificuldade em conseguir apoio da Secretaria Municipal de Saúde na distribuição de preservativos na nossa Parada Gay ou “Avenida da Diversidade”. Nem Marroni e nem Lula podem ser defendidos nesse episódio relembrado pelo blogueiro oficial d’O Globo. Eles foram homofóbicos, sim. Um ativamente e outro se omitindo. Se os petistas homofóbicos (eles existem) se calaram, os ativistas LGBT cumpriram seu papel. O único ponto em que Noblat acerta é sobre a patrulha petista que usa mesmo dois pesos e duas medidas quando o assunto é o “santo” Lula.
O segundo equívoco de Noblat é quanto ao direito à opinião. Essa liberdade só é possível na democracia se 1) não se cometa crime ao exercê-la e 2) respeite-se a liberdade de opinião do outro. Bolsonaro ofendeu, incitou o crime de racismo e incitou a violência contra homossexuais. Isso no exato momento em que uma pesquisa revela que em 2010 os assassinatos de homossexuais cresceram mais de 30% no Brasil. Claro que Bolsonaro tem o direito à opinião e livre expressão – todos temos – , mas ao cometer um crime no uso dessa liberdade terá que responder judicialmente.
Noblat ainda cita outro comentário de Lula quando o então presidente declarou serem os “louros de olhos azuis” responsáveis pela crise econômica mundial e cita como preconceito. Alguém precisa lembrar ao jonalista/blogueiro que a opressão se caracteriza quando uma classe, gênero, raça, povo, grupo está em clara situação de desvantagem, exploração. Falar em racismo contra brancos de olhos azuis é o mesmo que falar de violência doméstica cometida por mulheres contra homens ou do ataque de homossexuais contra héteros (“heterofobia”?). Deve existir, mas é tão raro que não há como configurar como um problema social.
Durante a ditadura militar eu entenderia um jornalista defender Bolsonaro. Mas em plena “democracia” onde a imprensa goza de ampla liberdade de dizer o que bem entende sobre qualquer pessoa, a posição de Noblat só pode ser classificada de mau-caratismo. Afinal, quando colegas seus foram são demitidos por usarem o tuíter para manifestar suas opiniões – sem ofender ninguém ou incitar crime algum – ele ficou em silêncio e tampouco lembrou ou invocou o direito à liberdade de expressão.
Está explicado porquê Bolsonaro está no sexto mandato e tem 120 mil votos, né?
Noblat não tem moral alguma para criticar os petistas que se calam diante da homofobia de Lula e jogam pedras na homofobia de Bolsonaro. Ele mesmo está agora usando dois pesos e duas medidas. Um comentário distorcido de Dilma Rousseff sobre aborto durante a campanha de 2010 bastou para que ele e a grande imprensa a crucificassem no intuito de prejudicá-la eleitoralmente. A Bolsonaro ‘se dá’ o direito de liberdade de expressão para ser racista e homofóbico. Nojo de tudo isso, viu?

Deveríamos ver na tevê diariamente o seguinte recado: “O Ministério da Saúde adverte: Ler o Blog do Noblat causa problemas estomacais gravíssimos e náuseas”. Quando me perguntarem: “não leste no Blog do Noblat?”, responderei: “não uso drogas pesadas!”
.

Anúncios

Sobre Niara de Oliveira

ardida como pimenta com limão! marginal, chaaaaaaata, comunista, libertária, biscate feminista, amante do cinema, "meio intelectual meio de esquerda", xavante, mãe do Calvin, gaúcha de Satolep, avulsa no mundo. Ver todos os artigos de Niara de Oliveira

11 respostas para “Bolsonaro, Noblat, crime e liberdade de expressão

  • paulo cesar martins

    Oi Niara,mas é bom ler esses “jornalistas” da mídia burguesa pra criticá-los

  • Niara de Oliveira

    Confesso que só li esse texto porque alguém o tuitou na minha TL falando em ‘defesa do Bolsonaro’. Tive coceira para saber quais argumentos ele teria usado. E eis que vejo a minha cidade e sua curiosa fama nacional no entreveiro. Não leio o blog deste senhor já tem muito tempo.

  • Graziano

    PQP! Eu não tinha visto essa entrevista. Acabei vendo o link do teu blog na minha TL e fiquei curioso pra saber o que era.
    Desculpe começar o comentário com uma palavra bem inapropriada, mas o que esperar de políticos brasileiros e jornalistas FDP que defendem esse tipo de atitude.
    Liberdade de expressão o caral%$!
    E se a pergunta fosse sobre pedofilía e o deputado tivesse uma opinião totalmente contraditória, esse jornalista iria apoiar a liberdade de expressão?!
    Por favor! Não é preciso nem conhecer a vida do deputado ou do jornalista que apoiou tal ideia de “expressão”.
    Mas infelizmente, nos dias de hoje, ainda existe preconceito. E muito.

  • Indigano com Bolsonaro

    Simplesmente excelente o texto. Queria que todos os brasileiros tivessem esse nível de discernimento exposto no texto.

  • guilherme

    Excelente texto, o triste eh que em toda parte eu escuto gente distorcer a liberdade de expressao quando quer defender uma posicao indefensivel, bom seria que as pessoas fossem informadas sobre o que eh o direito a expressao. Obrigado pelo texto, vou divulga-lo.

  • JLM

    niara, infelizmente todo o seu texto e argumentação se baseiam em cima de uma premissa falsa: a dq o bolsonaro cometeu crime, qdo ñ cometeu. ele pode ter ofendido a concepção moral d mta gente com as suas opiniões retrógradas e imbecis, mas segundo as nossas leis vigentes, ele ñ praticou crime algum, até pq tem a chamada imunidade parlamentar. assim, o noblat ñ tá defendendo criminoso algum.

    para saber mais, sugiro uma lida no link http://www1.folha.uol.com.br/poder/897860-caso-bolsonaro-reabre-discussao-sobre-imunidade-parlamentar.shtml

  • Niara de Oliveira

    Odeio legalismo. Entre o justo e o legal, fico com o justo. Acho imunidade parlamentar um absurdo, ainda mais para cometer crime em rede aberta de televisão. Não sou agente do direito para ter que engolir esses sapos-hipopótamos e ter que defender gente como esse Bolsonaro. Minha premissa fundamental é a da justiça para os seus desvalidos.

  • Rejane

    Niara, fico me perguntando porque sigo Noblat no twitter e porque a maioria das pessoas de esquerda, que tanto o criticam, também o seguem. Até porque, seus textos, na maior aprte das vezes, reproduzem as matérias da Globo e de seus colunistas e ele não se posiciona integralmente quando os escreve. Acho-os simplórios demais, mas bastante nojentos também.

  • Niara de Oliveira

    Quando me fiz essa mesma pergunta, Rejane, dei unfollow no Noblat. Fui ler este texto dele sobre o Bolsonaro porque achei o título tão absurdo que precisava ler para acreditar que ele tinha descido tão baixo. Entre saber de alguns fatos com minutos de antecedência e preservar meu estômago, escolhi minha saúde mental e física.

  • Erica

    Oi Niara, achei teu blog =)

    Parece que não tem nada a ver mais tem, enquanto os torturadores do regime militar não pagarem por seus crimes, muitos fascistas de grosso e fino calibre vão continuar se achando vomitando suas “verdades” impunes por aí. Um beijo, adicioneu seu blog aos favoritos do meu =)

  • Blogueiras Feministas Contra A Homofobia.Blogueiras Feministas | Blogueiras Feministas

    […] diário. O gueto torna-se pequeno demais. E a cada passo a intolerância vem em avalanche. É um Bolsonaro aqui, um Rica Perrone acolá, mostrando que o caminho é longo e a sociedade ainda não percebeu […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: