As Horas…

..
“Examine por um momento uma mente comum em um dia comum. A mente recebe uma miríade de impressões – triviais, fantásticas, evanescentes, ou gravadas com a agudeza do aço. De todos os lados as impressões chegam, como uma chuva incessante de átomos; e quando caem, tomam a forma da vida de segunda-feira, terça-feira, e o modo desta chuva de impressões é diferente de outra; (…) A vida não é uma série de lampiões simetricamente arrumados; a vida é um halo luminoso, um envoltório semi-transparente que nos envolve do início da consciência até o fim.” (Virginia Woolf)
.
.
Em 1923, Virginia Woolf (Nicole Kidman) está começando a escrever seu livro, “Mrs. Dalloway” (lançado em 1925) sob os cuidados de seus médicos e familiares no subúrbio de Londres. Em 1949, Laura Brown (Julianne Moore) está no subúrbio de Los Angeles tentando preparar um bolo para o aniversário de seu marido ao mesmo tempo em que está ocupada, lendo o livro escrito por Virginia. Nos dias atuais, Clarissa Vaughn (Meryl Streep) está em Nova York preparando uma festa para seu melhor amigo, um famoso autor que está morrendo de AIDS.
Sendo tomada em apenas um dia, as três histórias estão interligadas com o livro “Mrs. Dalloway”: uma personagem está escrevendo-o, outra está lendo e outra está vivendo a história, respectivamente. Mas o fio condutor é de fato a angústia, o sentimento de não pertencimento ao tempo e ao mundo em que essas três mulheres vivem e a idéia constante de suicídio.
.
.
O diretor Stephen Daldry (do também elogiadíssimo Billy Elliott) pode ser considerado depois desse filme – nas palavras da própria Meryl Streep – um grande mestre da arte de transformar sentimentos e pensamentos em imagens. A trilha sonora, sempre incidental, se faz presente durante quase todo o filme, traduzindo também em sons os sentimentos mostrados nas imagens. O elenco conta ainda com Ed Harris, Jeff Daniels, Toni Collete e Claire Danes.
O roteiro é baseado no livro homônimo, vencedor do Prêmio Pulitzer e Prêmio PEN / Faulkner de Ficção de 1999, de Michael Cunningham, que tem esse nome numa clara homenagem a Virgínia Woolf, que cogitou titular Mrs Dalloway como As Horas. O filme foi tão bem comentado e premiado quanto o livro, com Nicole Kidman ganhando Oscar, Globo de Ouro e Bafta de Melhor Atriz. Além de outras dezenas de indicações incluindo melhor filme, atuações coadjuvantes, trilha sonora, roteiro, figurino e edição. O filme é tudo isso, sim. É mais. É acachapante, é denso e imperdível. Virou clássico. Drama, 114 min.
.
Anúncios

Sobre Niara de Oliveira

ardida como pimenta com limão! marginal, chaaaaaaata, comunista, libertária, biscate feminista, amante do cinema, "meio intelectual meio de esquerda", xavante, mãe do Calvin, gaúcha de Satolep, avulsa no mundo. Ver todos os artigos de Niara de Oliveira

Uma resposta para “As Horas…

  • Juliana Kunc Dantas

    As Horas é visceral, é instante, é constância, é respiro – e a perda dele. É essência e trivialidade. É o que há de essencial na aparente trivialidade. É o não-dito. É exposição. É sutileza, é detalhe. É percepção. São sinais.
    São dizeres de uma vida inteira. “A woman’s whole life in a single day. Just one day. And in that day her whole life.” Ou a vida inteira em um único filme.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: