Arquivo da categoria: arte

O clássico cavaleiro errante e sua luta contra os moinhos

.

Dia 10 — O clássico favorito

.

               ” – Não — disse ele à sua imaginação, e em voz que podia ser ouvida — nem a maior formosura da terra conseguirá que eu deixe de adorar a que tenho gravada e estampada no meu coração e no mais recôndito das minhas entranhas, emboras estejas, senhora minha, transformada em repolhuda lavradeira ou em ninfa do áureo Tejo, tecendo telas de ouro e seda, ou Merlin ou Montesinos te guardem onde muito bem quiserem, que, onde quer que estiveres, és minha, e onde quer que eu esteja, sou e hei-de ser teu.

Don Quixote de Pablo Picasso, de agosto de 1955

Don Quixote, de Miguel de Cervantes, é o maior clássico da literatura espanhola e na minha humilde opinião é o clássico entre os clássicos. Foi escrito há mais de 400 anos e não deve haver uma única pessoa sobre a face da Terra que não tenha ouvido falar deste insano cavaleiro, seu fiel escudeiro, sua amada idealizada, seu cavalo e sua luta contra moinhos gigantes. Qual idealista nunca foi chamado de “cavaleiro errante” e sua utopia de “luta contra os moinhos”? Qual idealista destroçado e desanimado da batalha não foi chamado de “cavaleiro da triste figura”? Isso só para citar as expressões mais comuns associadas aos sonhadores que derivam da obra de Cervantes.

Apesar de mágico e instigante é quase uma tonelada de livro e eu o li muito aos poucos. Fui e voltei mil vezes porque tenho a mania de ler um livro todo de uma vez, sem abandonar. Sempre que o abandonava, voltava ao começo. Até que percebi que só conseguiria lê-lo em capítulos e bem devagar. Nunca o tive e o lugar e tempo de leitura foi a biblioteca da Escola Técnica Federal de Pelotas (hoje IFSul) nos anos solitários antes do movimento estudantil secundarista. Sim, eu matava as aulas chatas e ficava na biblioteca que tinha sacada para um jardim e onde ninguém me achava estranha por estar sozinha.

Don Quixote era Don Alonso Quixano, um cinquentão ingênuo e delirante que vivia na zona rural da província da Mancha. Morava num velho casarão com uma sobrinha e uma governanta, cercado por livros de cavalaria numa biblioteca toda ornamentada por lanças e escudos. De tanto ler sobre cavaleiros, suas batalhas contra vilões e suas amadas, decidiu sair pelo mundo lutando contra injustiças e inventou uma amada para si, já que não tinha nenhuma. Lembrou-se de uma camponesa chamada Aldonça, feia, desajeitada e analfabeta que vivia na aldeia de Toboso e por quem esteve interessado anos antes. O cavaleiro mudou seu nome para Dulcinéia del Toboso e passou a fantasiar que ela era mais bela que todas as damas e a princesas dos livros.

Passou por mal bocados na província por conta de seus delírios e sua sobrinha decidiu queimar sua biblioteca. Transtornado e ainda mais desequilibrado, mudou seu nome para Don Quixote de La Mancha, vestiu uma armadura e saiu pelo mundo montando um pangaré a quem batizou de Rocinante, para lutar contra gigantes e dragões, salvar donzelas em perigo e combater injustiças. No caminho encontrou um agricultor baixinho e gordinho chamado Sancho Pança e o conveceu a acompanhá-lo montando um burrico sob a promessa do reinado em uma ilha.

A partir daí são muitas aventuras e delírios, confusões e a batalha desse cavaleiro errante contra os moinhos é uma das cenas mais belas que alguém já descreveu.

Só para contextualizar: Miguel de Cervantes Saavedra nasceu em 1547 em Alcalá de Henares, cidade perto de Madri. Ainda jovem viajou para a Itália e lutou contra os turcos na batalha de Lepanto, feriu-se e teve a mão esquerda inutilizada. Aprisionado por piratas, só se libertou cinco anos depois e mais tarde passou a residir em Lisboa. Em 1580, voltou à Espanha e chegou a trabalhar como cobrador de impostos. Devido a essa profissão, viajou por toda a Espanha, conhecendo de perto as dificuldades de seu povo. Lançou a primeira parte de Dom Quixote em 1605 e obteve sucesso imediato. Em 1615 publicou a segunda parte do livro e morreu no ano seguinte, muito conhecido mas ainda sem recursos.

Não aconselho a ler Don Quixote em pdf, embora esteja disponível para download. A primeira parte tem 1832 páginas e a segunda, 919.

Baixe aqui Don Quixote, parte 1 em pdf

Baixe aqui Don Quixote, parte 2 em pdf

.

Estão participando do desafio 30 livros em um mês a Luciana do Eu Sou a Graúna, a Tina do Pergunte ao Pixel, a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Rita do Estrada Anil, a Marília do Mulher Alternativa, a Grazi do Opiniões e Livros, a Mayara do Mayroses e a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim. E tem mais a Fabiana Nascimento que posta em notas no seu perfil no Facebook. É um jeito outro de conhecer as pessoas através dos livros que as encantaram e encantam. Acompanhe nossa grande brincadeira.

.


Era melhor começar de novo…


Mademoiselle Pogany, de Constantin Brancusi

Mademoiselle Pogany, de Constantin Brancusi - 1913

.

Constantin Brancusi – Pioneiro da escultura abstracta, tentou chegar às formas mais despojadas, libertando-se das aparências de superfície para revelar a beleza intrínseca dos próprios materiais utilizados. Brancusi nasceu em Hobita, Romênia, em 21 de fevereiro de 1876. Descendente de uma família de camponeses, na infância foi pastor de ovelhas e aprendeu a ler e escrever sozinho. No segundo trimestre de 1904, após breve permanência em Munique, foi a pé para Paris, onde passou a maior parte da vida. A princípio trabalhou num restaurante e, como cantor, na Igreja Ortodoxa. Até 1907, estudou com Antonin Mercié, escultor acadêmico de tradição florentina. Recusou-se a frequentar o atelier de Rodin, por desejar romper com o naturalismo. A partir daí, graças sobretudo a suas relações com artistas de vanguarda, como Max Jacob, Apollinaire, Picasso, Léger e Modigliani, Brancusi criou estilo próprio, abandonando o nu e toda a temática romântica. Sua arte é primitiva. (1876 – 1957)


Relicário de Amélia

.

Do Estrelário de Madu Lopes.


O Semeador de Estrelas

.

.
Em uma praça da velha cidade de Kaunas, na Lituânia, há uma estátua de bronze, herança dos tempos da dominação soviética sobre o país (1795, 1920, 1940, 1944-1991), que chama a atenção de quem passa. É a estátua de um homem que, durante a noite, “semeia estrelas”. Desde que foi esculpida e colocada lá, ficou conhecida como a estátua do “Semeador de Estrelas”.
Kaunas, capital da Lituânia, em 1920 (atualmente é Vilnius), foi fundada, provavelmente, no século XIII. Durante sua agitada história, reduziram-na a cinzas diversas vezes e das cinzas renasceu, tendo sido dominada sucessivamente pela Polônia, Alemanha e Rússia. Nos anos 1915-1918 e 1941-1944, esteve ocupada pelos exércitos alemães. Está situada na confluência do rio Vilija com o Niemen, no Báltico, Europa ocidental.
Durante o dia a estátua não chama a atenção de ninguém, sejam moradores locais, de outras cidades e, até mesmo, turistas que todos os dias chegam à Lituânia e visitam Kaunas. Mas, à noite e com o facho de luz sobre ela, é possível ver as estrelas cintilando e flutuando no espaço, à medida que nos dá a impressão de que o homem semeia, com a mão direita, enquanto que, com a esquerda, segura o embornal onde, presume-se, contém outras estrelas.
As estrelas se projetam logo atrás dele, a partir do seu lado direito, criando um mundo de sonhos e ilusão, como se, num passe de mágica, saíssem do embornal ou caíssem do céu, diante de nossos olhos.
Nunca pensei que alguém pudesse semear estrelas, ainda mais em praça pública. Mas, o homem da estátua de Kaunas, semeia. Basta a noite chegar.
Devido à aparência de “estátua velha”, por ser de bronze e oxidada pela ação do tempo, passa praticamente incógnita durante o dia, como qualquer outra estátua da praça. Mas, assim que a noite chega e a luz é acesa, acontece o milagre da transformação e o encanto da ilusão, que fascina e provoca suspiros de admiração nos visitantes, como se ganhasse vida e os convidasse para, com sua magia encantadora, semear estrelas também. E, então, se transforma em ponto de encontro e referência para quem passa, justificando seu título, cujo autor ninguém sabe. É a escuridão, com um único facho de luz sobre ela, que parece lhe dar vida à noite e que a tirou do anonimato. (…)
.
(texto de Fernando de Almeida Silva)
.
Nota: Uma amiga muito querida enviou essas fotos num imeiu. Fui pesquisar para saber mais da sua história e vi que se repete de tempos em tempos em vários sítios e blogues. Mas é tão lindo, que não resisti a publicar. A frase final que acompanha as fotos na maioria das publicações é essa: “Que possamos ver sempre além daquilo que está diante de nossos olhos, hoje e sempre.” – Parece mensagem de livro de auto ajuda, mas faz sentido diante das fotos.
.
Para acompanhar, a gravação original de Estrela, Estrela de Vitor Ramil:
.

.


Deem uma chance a paz!

Fotografias famosas do séc. XX

No dia 26 de maio de 1969, John Lennon e Yoko Ono, fizeram o seu mais famoso protesto, na cama. Alguns meses antes do fim dos Beatles, o músico e a artista plástica ocuparam as suítes 1738 e 1742 do Queen Elizabeth Hotel, em Montreal, Canadá. Era o segundo “bed-in” (ou Bed – Ins for Peace), nome dado para um protesto pacífico contra a guerra e para promover a paz criado por John e Yoko que consistia, basicamente, em passar alguns dias sobre o colchão e sob os flashes de fotógrafos do mundo todo. Com o ato, embalavam em ironia o recado vital em tempos de Guerra do Vietnã: “Para que perder o sono com a paz mundial?”. Durante uma semana o casal recebeu diversos artistas, amigos e personalidades que se juntaram ao coro para gravar o hino “Give Peace a Chance”, em 1° de junho. A faixa alcançou a 14ª posição nas paradas da Billboard. Em meio a muitas fotos, todas muito parecidas, não foi possível identificar o autor.

 

"Bed-In" de John e Yoko na versão em lego, feita pelo artista plástico britânico Mike Stimpson

 

.


Quando a imagem dispensa palavras para traduzi-la

.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 108 outros seguidores