Aborto legal, livre e gratuito já!

Hoje é o Dia Latino-Americano pela Legalização do Aborto na América Latina e Caribe e a divulgação dos primeiros textos suscitaram discussões e polêmicas antigas sobre a questão. Mas mesmo toda a argumentação pró-vida (apenas do feto) não consegue responder por que a grande maioria das mulheres que morre em decorrência de abortos mal feitos (é a terceira causa de morte de mulheres no Brasil) são pobres e negras.

O fato do aborto ser ilegal no Brasil não impede que ele seja praticado. A diferença é que as mulheres com melhores condições financeiras o fazem com toda a segurança e amparo médico em clínicas sofisticadas que nunca são denunciadas e as mulheres pobres o fazem ou em “açougues” (clínicas clandestinas sem nenhuma condição de higiene) frequentemente denunciados ou em casa, com agulhas de tricô e citotec.

A mesma sociedade que condena o aborto não dá nenhuma assistência à maternidade e a Amanda Vieira escreveu um texto muito interessante abordando esse aspecto da opção pela maternidade:

“…o debate sobre o aborto precisa passar por uma séria reflexão do que significa a maternidade e o desejo de ser mãe. Como é que a sociedade tem preparado as nossas mulheres para isso? Será que nós, mulheres, estamos recebendo o suporte necessário? Nem me refiro a questão financeira, que também é importante, mas em relação ao psíquico: será que a sociedade está despertando o desejo de ser mãe nas mulheres ou estamos enlouquecendo a mulherada com tantas obrigações?

(…) Também acredito que descriminalizar o aborto e legalizar a prática é uma forma de monitorá-lo, de conversar mais com essas mulheres, de saber o que está acontecendo, de efetivamente ajudar a reduzir mortes de mulheres jovens e pobres por esse Brasil.”

É preciso decidir: ou se é favor da maternidade ou não. Mais do que um problema de gênero (e não deveria ser, já que a reprodução é obra de homens e mulheres), a criminalização do aborto é um problema de classe e de raça. São as mulheres pobres, trabalhadoras e mais as negras que sofrem com as consequências de abortos mal feitos ou por serem obrigadas a levar adiante uma gravidez indesejada.

Se no momento da concepção a sociedade está preocupadíssima com a vida do feto, lava suas mãos depois que esse feto nasce e ganha uma cor, uma raça e uma classe. Pró-vida de quem, então, moralistas? Esquizofrenia define essa sociedade que sempre condena as mulheres pobres e em sua ampla maioria negras à culpa, à marginalidade e a péssimas condições de vida que tem como pano de fundo a normatização da sexualidade da mulher e a culpa e pune pelo prazer.

Alguns dados:

  • quase 2 milhões de abortos são realizados por ano no Brasil, sendo que 95% deles em situação de risco
  • quase 800 mil internações nos serviços de saúde por abortos mal feitos
  • quase 6 mil mulheres morrem por ano em decorrência desses abortos mal feitos
  • 1 em cada 5 mulheres já interrompeu uma gravidez ao longo da vida por vontade própria
  • é possível engravidar mesmo tomando anticoncepcional

Por fim:

“A questão do aborto está mal posta. Não é verdade que alguns sejam a favor e outros contrários a ele. Todos são contra esse tipo de solução, principalmente os milhões de mulheres que se submetem a ela anualmente por não enxergarem alternativa. É lógico que o ideal seria instruí-las para jamais engravidarem sem desejá-lo, mas a natureza humana é mais complexa: até médicas ginecologistas ficam grávidas sem querer.

Não há princípios morais ou filosóficos que justifiquem o sofrimento e morte de tantas meninas e mães de famílias de baixa renda no Brasil. É fácil proibir o abortamento, enquanto esperamos o consenso de todos os brasileiros a respeito do instante em que a alma se instala num agrupamento de células embrionárias, quando quem está morrendo são as filhas dos outros. Os legisladores precisam abandonar a imobilidade e encarar o aborto como um problema grave de saúde pública, que exige solução urgente.” (Drauzio Varella, A questão do aborto)

.

Aborto legal, livre e gratuito já, porque é um direito da mulher.

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva Pela Descriminalização e Legalização do Aborto convocada pelas Blogueiras Feministas para esse 28 de setembro de 2011. Leiam todos os posts da blogagem lá.

Deixo ainda como sugestão o texto da Lis Lemos, Acordei com vontade de fazer um aborto.

No final do dia escrevi por encomenda um texto avaliação da ação desse 28 de setembro de 2011 pela legalização do aborto e os espaços de debate e silêncio que encontramos. Está no Jornalismo B, em “Legalização do aborto é debatida na web e silenciada na grande mídia“.

.

About these ads

Sobre Niara de Oliveira

Ardida como pimenta com limão! Jornalista marginal, chaaaaaaata, comunista, libertária, biscate feminista, amante do cinema, "meio intelectual meio de esquerda", xavante, mãe do Calvin, gaúcha de Satolep, avulsa no mundo. Ver todos os artigos de Niara de Oliveira

7 responses to “Aborto legal, livre e gratuito já!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 88 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: